FRASE DO DIA

Vazamento é uma coisa que está acontecendo com muita frequência e é ruim porque é manipulável. Você usa o vazamento para atacar. E se for falso? E se for só uma parte? Quanto mais depressa for possível a Justiça deixar transparente tudo, melhor.

(FHC defendo o fim do sigilo da Operação Lava Jato)

Comentar

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso verbalizou aquilo que o PSDB já sabe há muito tempo: megadelatado, o senador Aécio Neves, o “Mineirinho” da lista da Odebrecht, não é mais competitivo para as eleições presidenciais em 2018; questionado sobre o assunto em entrevista, FHC foi enfático: “se olhar as pesquisas”, Aécio não é um candidato competitivo; o ex-presidente, no entanto, teve cautela ao falar das chances do prefeito de São Paulo, João Doria, concorrer ao Planalto; “Doria não é o único [com chances]. Tem vários que são (competitivos). Acho tudo prematuro. Não por ser o Doria, que é prematuro obviamente porque ele tem um mês de governo, mas é outra coisa: não se sabe o que vai acontecer com o conjunto de políticos com a Lava-Jato. Quem fica em pé?”, afirmou

247 – Questionado sobre a viabilidade da candidatura do senador Aécio Neves, o “Mineirinho” da lista da Odebrecht, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou categoricamente: “se olhar as pesquisas”, Aécio não é um nome competitivo para as eleições presidenciais de 2018.

Com isso, fica aberta a temporada para escolher o candidato tucano ao Planalto, mas FHC desconversou ao falar das chances de outros concorrentes, como prefeito de São Paulo, João Doria, cujo nome ganha cada vez mais força entre diferentes alas tucanas.

As informações são de reportagem de Sérgio Roxo e Sílvia Amorim em O Globo.

“Ele [João Doria] está começando e disse a mim, insistentemente, que o candidato dele é o Geraldo (Alckmin, governador de São Paulo). Doria não é o único. Tem vários que são (competitivos). Acho tudo prematuro. Não por ser o Doria, que é prematuro obviamente porque ele tem um mês de governo, mas é outra coisa: não se sabe o que vai acontecer com o conjunto de políticos com a Lava-Jato. Quem fica em pé?”, indagou.

FHC também disse que foi mal interpretado em sua declaração sobre o caixa dois eleitoral.

“Não é que pegou mal, me entenderam mal. Eu disse aquilo de propósito porque estavam usando o Aécio (senador Aécio Neves) e não era verdade o que falavam dele (Benedicto Júnior, expresidente da Odebrecht Infraestrutura, teria dito que a empreiteira doou R$ 9 milhões via caixa 2 em 2014 a pedido de Aécio). Eu disse que tinha que separar os diferentes delitos. Uma coisa é dar um tiro, outra é dar uma surra. O toma-lá-dá-cá é que separa o caixa 2 puro da corrupção. Deixa a Justiça decidir. Não sou eu nem o Congresso.”


Não caiu muito bem a foto onde o “radical” Flávio Dino, o militante comunista “anti-golpe” aparece ao lado de Alexandre de Moraes, cuja indicação para o STF, feita pelo presidente Michel Temer, foi uma das mais polêmicas e controversas na história da suprema corte.

A afirmativa que intitula este post não é exatamente do Blog do Robert Lobato, mas de um militante do PT maranhense que, em off, afirmou não ter entendido o porquê do governador Flávio Dino (PCdoB) não ter ido até a cidade de Monteiro, no sertão da Paraíba, para prestigiar o ex-presidente Lula e a ex-presidente Dilma no ato histórico da inauguração simbólica da transposição do rio São Francisco, mas três dias depois estava na posse de ex-ministro da Justiça Alexandre de Moraes no Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo o militante petista, “Flávio Dino não agiu corretamente ao ignorar o grandioso ato da inauguração simbólica do rio São Francisco em Monteiro onde, além do Lula e da Dilma estiveram presentes várias lideranças nacionais da esquerda brasileira, inclusive do PCdoB, e três dias depois aparecer na posse do ministro golpista Alexandre de Moraes no STF com direito a foto nas redes sociais, pareceu até deboche. Que não reclame se o PT desistir dele no Maranhão”.

O fato importante nessa declaração é que o autor dela é muito próximo, aliás, é colaborador de uma ilustre liderança do PT no estado, o que pode significar que reproduziu apenas o que ouviu nos bastidores petistas.

Realmente não caiu lá muito bem a foto onde o “radical” Flávio Dino, o militante comunista “anti-golpe” aparece ao lado de Alexandre de Moraes, cuja indicação para o STF, feita pelo presidente Michel Temer, foi uma das mais polêmicas e controversas na história da suprema corte.

E se governador maranhense fez questão de lá estar é porque ainda sente-se parte do Judiciário nacional.

É “juizite” crônica mesmo.

Ou existe algo de mais, digamos, forte por trás do gesto de Flávio Dino ao agora ministro do STF Alexandre de Moraes?

PS: Na sexta-feira, 17, dois dias antes do ato em Monteitro (PB), o vice-procurador-geral Eleitoral, Nicolao Dino, irmão do governador Flávio Dino, pediu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que aplique multa prevista na legislação ao ex-presidente Lula pela veiculação na internet de propaganda eleitoral antecipada. Nas representação, o vice da PGE argumenta que os vídeos fazem menção expressa a eventual candidatura do petista para as eleições presidenciais de 2018. Para Nicolau Dino, utilização de expressões como “eu tô voltando” e “LULA 2018” revelam a pretensão do ex-presidente em anunciar a sua futura candidatura. “Ademais o fato de o candidato aparecer realizando atividades físicas aliado à aferição da sua pressão em ‘doze por sete’, sugere que o pretenso candidato se encontra fisicamente apto a retornar ao cargo que outrora ocupou”, argumentou.


O tal jargão da “precarização do trabalho” é discurso para quem deseja escamotear o debate, fazer discurso fácil para a plateia. Categorias fortes, com sindicatos atuantes e sérios não têm do que temer com as terceirizações. 

A Câmara dos Deputados aprovou, ontem, quarta-feira, 8, o projeto de lei 4330/2004, que regulamenta contratos de terceirização no mercado de trabalho.

Antes do leitor achar que a “maldade” saiu da cabeça do Michel Temer é bom lembrar que a ex-presidente Dilma também tinha o seu próprio projeto de terceirização, menos radical do que o aprovado agora pela Câmara Federal é verdade, mas também continha um certo grau de “veneno”, tanto que as elites sindicais reclamaram muito. Aliás, o projeto é originalmente do ex-deputado Sandro Mabel (PMDB/GO) e dormia há mais de uma década no parlamento!

Mas, afinal, a terceirização é prejudicial ou não aos trabalhadores públicos e privados? Quem ganha e quem perde com esse processo?

Vamos tentar responder a essas questões de maneira técnica e despido de qualquer ranço político e ideológico, até porque, pela minha formação de administrador de empresas, estudei e debati muto sobre o tema. Vamos lá.

Lato senso, a terceirização é uma prática de gestão onde uma empresa prestadora de serviços é contratada por outra empresa para realizar serviços determinados e específicos. A prestadora de serviços emprega e remunera o trabalho realizado por seus funcionários, ou subcontrata outra empresa para realização desses serviços. Não há vínculo empregatício entre a empresa contratante e os trabalhadores ou sócios das prestadoras de serviços.

O objetivo das terceirizações é cortar custos de atividades na qual a empresa contrante se acha incompetente para gerir determinado processo na empresa. Por exemplo, uma organização pública ou privada pode entender que não há necessidade de contratar profissionais em áreas tais como vigilância, transporte, comunicação, limpeza etc., preferindo terceirar estes serviços.

Atividade-meio e Atividade-meio

O ponto nevrálgico do projeto aprovado ontem pelos deputados federais é o dar a abrangência das terceirizações atingirem tanto as atividades-meio como as atividades-fim, além das obrigações trabalhistas serem de responsabilidade somente da empresa terceirizada – a contratante tem apenas de fiscalizar; a representatividade sindical, que passa a ser do sindicato da empresa contratada e não da contratante; e a terceirização no serviço público. Já os empresários o governo asseguram que a nova lei vai aumentar a formalização e a criação de novos postos de trabalho pelo país afora.

Entende-se por atividade-fim aquela que dá sentido à existência da empresa, a que é objeto central de exploração comercial da organização. As atividades-meio, por sua vez, são aquelas que não são voltadas diretamente para a atividade principal da empresa contratante. Asim: uma indústria de automóveis tem como atividade-fim todo o processo de industrialização, já as atividades-meio são o serviço de limpeza, segurança, manutenção de máquinas e equipamentos, contabilidade etc.

Enfim, pelo projeto aprovado, todos os serviços sejam de empresas públicas ou privadas, da atividade-meio ou da atividade-fim, poderão ser terceirizados.

Aspectos econômicos

Além dos aspectos microeconômicos de cortes de alguns custos das empresas, os defensores da terceirização sustentam que a medida vai gerar mais empregos e, por conseguinte, aquecer a macroeconomia.

Nunca esqueço das palavras de um diretor de uma empresa em que trabalhei quando determinado colega foi pedir aumento. Eis: “Não estamos em condições de conceder aumento salarial para ninguém neste momento, se você está achando que o seu salário está baixo, lembre-se que o menor salário é do desempregado”.

No pode parecer cruel a sinceridade do diretor, mas a verdade é que não há maior prejuízo para um trabalhador do que o flagelo do desemprego. Um homem ou a mulher chegar em casa e ter que encarar a família que necessita do básico e não poder atender porque não há dinheiro no bolso é algo arrasador para a dignidade e autoestima de qualquer pessoa. Quem já passou por isso sabe do que estou falando…

Ocorre que se de um lado alguns os empresários se aproveitam da fragilidade econômica do país para manter os empregos mesmo com baixos salários e ás vezes até suprimindo direitos, não é menos verdade que a nossa elite sindical de trabalhadores há muito se aproveita da situação e não procurou prepará-los para a realidade dos novos tempos, inclusive frente ao advento das novas tenologias de produção e serviços.

O resultado é uma classe trabalhadora excessivamente dependente da Carteira de Trabalho, basicamente fazendo a mesma coisa desde quando a sua carteira foi assinada; o resultado é um grau sofrível de empregabilidade de um imenso números de trabalhadores.

E quando o assunto é o setor público nem se fala. Aliás, quem precisa de serviços de um funcionário público também sabe do que estou falando…

É que, deitado em berço esplêndido, se acostumaram em ser apenas “servidor público” esquecendo-se de ser “servidor do público”. Aí meteram na cabeça que só têm direitos, obrigações… nadica de nada!

A opinião do Blog do Robert Lobato

Bom, há tempos deixei de demonizar certos assuntos apenas por razões políticas e ideológicas, pois existem assuntos que vão além de posições e gostos na política e na ideologia.

Não sou contra o processo de terceirização. Nunca fui, na verdade.

Ocorre que tudo nessa vida tem-se que ter o limite das coisas, para que algo que possa ser aparentemente positivo num primeiro momento, não se torne deveras negativo mais adiante. É aquela história, até um remédio pode virar veneno dependendo da dosagem dada ao doente.

O tal jargão da “precarização do trabalho” é discurso político fácil para quem deseja escamotear o debate, jogar para a plateia.

Categorias fortes, com sindicatos atuantes e sérios não têm do que temer com as terceirizações.

A grande verdade e que neste país todos só pensam em si, só olham para os próprios umbigos e não estão nem aí para os interesses maiores da nação.

Nossas elites políticas, empresariais, sindicais, intelectuais (orgânicos ou não), servidores públicos etc. estão, na grande maioria, preocupados com seus privilégios imediatos do hoje e do agora, que se explodam as futuras gerações não importando que delas farão parte filhos, netos, bisnetos…

De certa forma são todos conservadores e antirreformistas – alguns casos até reacionários!

Enfim, ainda que possa e deva ser questionado no sentido de ser aperfeiçoado, o projeto de terceirização que agora segue para o Senado Federal é um instrumento necessário para a gerar emprego, renda e dignidade ao trabalhador brasileiro.

É a opinião do Blog do Robert Lobato.

Ao debate democrático.


Belágua começa a dar os primeiros passos na transformação da educação de suas crianças e adolescentes. Os investimentos iniciais concentram-se em melhorias para o dia-a-dia do estudante. Nesta semana, a Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Educação, iniciou a entrega dos kits escolares para os estudantes matriculados na rede municipal de ensino (sede e zona rural).

O kit é composto por lápis, caneta, borracha, apontador, lápis de cor, estojo, caderno e mochila. O objetivo é contribuir com na melhoria do rendimento escolar, além de auxiliar no aprendizado dos alunos. Ao todo, 3.074 alunos – de creche até o EJA – receberão seus kits escolares.

Já receberam o material estudantes da creche, pré-escola, ensino fundamental e Educação de Jovens e Adultos do Jardim de Infância Girassol, Unidade Integrada Eliezer Moreira, Unidade Integrada Angélica Costa, Unidade Integrada Rosalina Costa e da Escola Municipal Clara de Castro. Os alunos ainda receberão o fardamento escolar totalmente gratuito, também entregue pela prefeitura.

Projeto Pró-beli (Programa Belágua Informatizada) – Lançado no dia 21/03, o Programa Belágua Informatizada (Pró-Beli) vai informatizar todos os prédios públicos do município e instalar pontos de acesso à internet nas secretarias, hospital, prefeitura e, principalmente, nas escolas. As da sede já possuem acesso à internet que, gradativamente, será estendido às escolas da zona rural.


Criada em 2015 com o objetivo de defender os interesses e atender as demandas de ex-gestores e dos atuais, a União Nacional dos Ex-Prefeitos e Representações Previdenciárias de Municípios e Unidade Federativa do Brasil (UNEPP) inaugura nesta sexta-feira (24) a sua sede no Maranhão, localizada na capital São Luís.

A cerimônia acontecerá a partir das 9h, no Olho D´Água, bairro onde a sede da entidade foi instalada.

A União Nacional é presidida pelo ex-prefeito de Paço do Lumiar, Raimundo Filho, e tem como vice-presidente o prefeito do município de Flores do Goiás, Jadiel Oliveira.

Atualmente, a UNEPP está implantada nos estados de São Paulo, Bahia e Goiás; além de possuir escritório em Brasília.

Trata-se de uma entidade apartidária, independente, unitária e democrática, tendo como princípio fundamental a discussão permanente com a população, no propósito de contribuir para uma sociedade mais justa, solidária e igualitária.

Em reunião realizada esta semana com ex-prefeitos e ex-prefeitas, Raimundo Filho apresentou o estatuto da União e dirimiu diversas dúvidas. Explanação semelhante será feita durante a inauguração desta sexta-feira.

Diferentemente da FAMEM, entidade que representa os municípios do estado, a UNEPP representa ex-prefeitos e gestores municipais no exercício mandato, fornecendo a eles serviços diversos, tais como assessoria jurídica e contábil, além do receptivo em Brasília, por exemplo.

A União também já fechou parcerias com instituições de ensino no sentido de oferecer aos seus filiados, com descontos consideráveis, cursos de capacitação e até de graduação.

“A UNEPP visa agregar ex-prefeitos e os atuais. Nossa missão é fortalecer esta classe política que, muitas das vezes, acaba sendo penalizada em várias situações e injustamente. Estamos chegando ao Maranhão e tenho certeza que, muito em breve, estaremos extremamente fortalecidos”, afirmou o ex-prefeito luminense.

Diretoria local:

Presidente de Honra- Junior Marraca
Presidente- Luiza Muoura da Silva Rocha
Diretor Juridico- Tinoco
Diretor de comunicacao- Graciela Holanda
Diretor administrativo – Junior Otsuka
Diretoria Previdenciaria- Sergio Albuquerque.
Diretor Articulacao institucional- Adalberto
Diretor Reginal regional tocantina- Prefeita vete
Diretor Regional baixo parnaiba- Dulcilene Belezinha
Diretor Reginal Pindaré- Raimundo Neto
Diretor regional regiao munim- Juarez lima.


Mensagem que circulou em vários grupos de WhatsApp falando de uma suposta “abertura de 500 vagas, em caráter de urgência, pela Prefeitura de São José de Ribamar”, não passa de pegadinha de mal gosto.

Luis Fernando: Prefeito resolveu registrar Boletim de Ocorrência para apurar de onde partiu a calúnia.

Parece que a “Operação Turing”, deflagada pela Polícia Federal, na manhã da última terça-feira, 21, em São Luís, cujo alvo foi investigar blogueiros suspeitos de praticarem vários crimes, não foi suficiente para inibir que outros blogueiros continuem na mesma linha de querer tentar constranger, chantagear e caluniar agentes e gestores públicos.

O prefeito de São José de Ribamar, Luis Fernando (PSDB) sabe bem o que é isso, pois tem sido constantemente vítima de métodos criminosos de alguns comunicadores, principalmente na blogosfera, sob o pretexto destes de “informar” a população.

Agora mesmo espalharam de forma criminosa que a Prefeitura de São José de Ribamar por meio da Secretaria de Administração e Finanças estaria oferecendo vagas de emprego.

A referida mensagem que circulou em vários grupos de WhatsApp falando de uma suposta “abertura de 500 vagas, em caráter de urgência, pela Prefeitura de São José de Ribamar”, não passa de pegadinha de mal gosto.

A Prefeitura também informa que já foram tomadas todas as providências legais e jurídicas bem como o registro do Boletim de Ocorrência evidenciando o factoide. As medidas incluem ainda a apuração e responsabilização dos criminosos na forma da lei prevista no artigo 138 do Código Penal que reza:

Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime:

Pena – detenção, de seis meses a dois anos, e multa.

– Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga.

Ou seja, quem inventou a falsa oferta de emprego na Prefeitura de São José de Ribamar, bem como ajudou a divulgar tal mentira, têm motivos para se preocupar, pois tudo indica que podem ter que ajustar contas com a Justiça e com as autoridades policiais.

É aguardar e conferir.


O senador Roberto Rocha (PSB) colocou a questão dos nossos rios maranhenses na ordem do dia das politicas públicas estaduais.

Nesta próxima sexta-feira (24), a partir das 8h, no auditório da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão- FIEMA, o Maranhão estará voltado a sua atenção para o importante seminário Revitalização dos Rios Maranhenses e suas Nascentes.

Realizado pelo Instituto Cidade Solidária e gabinete do senador Roberto Rocha (PSB), com co-realização do Ministério do Meio Ambiente e MEA- Movimento Ensinando e Aprendendo, o seminário vai reunir profissionais que são referências na área de sustentabilidade ambiental, para discutirem políticas públicas para a preservação das bacias hidrográficas do Maranhão.

Para os interessados em participar do seminário, basta fazer a inscrição pelos contatos: 98/98877-4813/ inscricoes@cidadesolidaria.org

No dia do evento, levar 01 kg de alimento não perecível, que será doado para comunidades carentes.

Confira a chamada feita por Roberto Rocha:

Imagem de Amostra do You Tube


A atividade de blogueiro estava levando alguns colegas a torná-la um meio fácil e rápido de ganhar dinheiro. Não deu pra nada? Crie um blog e fique rico. Esse é o conceito, equivocado, diga-se de passagem, que alguns começaram a ter da blogosfera.

Claro que o Blog do Robert Lobato não deixaria os leitores na mão em não comentar sobre as prisões e conduções coercitivas de blogueiros de São Luis ocorridas na manhã de ontem, terça-feira, 21.

Neste post, porém, o editor deseja tão somente fazer a constatação de que a chamada “Operação Turing” recoloca o debate sobre a questão de qual tipo de blogosfera temos no Maranhão e também a questão da  liberdade de expressão e os limites dos blogueiros enquanto formadores de opinião. Aliás, quem acompanha o Blog do Robert Lobato sabe que esse assunto sempre foi objeto de análise desta página.

No Brasil de tempos de Lava Jato, onde investigações e julgamentos ocorrem num só tempo, e via de regra a condenação é previamente decreta pela mídia, todo cuidado é pouco para que injustiças não sejam cometidas contra inocentes.

De qualquer forma, as estruturas da blogosfera nativa foram abaladas sem sombras de dúvidas pela Operação Tourin.

O joio e o trigo

Evidente que é sempre desconfortável ver colegas passarem por tamanho constrangimento como nesse caso, cuja repercussão foi nacional.

Contudo, a questão fundamental é: esse episódio coloca a atividade de blogueiro na berlinda a ponto de parecer aos olhos da sociedade que todos são iguais? Eu mesmo respondo: claro que não!

Em toda atividade humana há bons e maus profissionais. Não é diferente no território da blogosfera.

Ocorre que que a atividade de blogueiro estava levando alguns colegas a torná-la um meio fácil e rápido de ganhar dinheiro. Não deu pra nada? Crie um blog e fique rico. Esse é o conceito, equivocado, diga-se de passagem, que alguns começaram a ter da blogosfera.

Só que nada vida é fácil, ainda mais dinheiro. E tudo é que vem fácil, também vai fácil, além do fato de que há dinheiro que não vale a pena a gente ganhar, ainda mais quando os métodos expõem uma face violenta, por parte de alguns blogueiros, no que diz respeito a colocar a faca no pescoço de políticos, autoridades públicas, empresários etc, para tirar vantagem financeira.

Se por um lado pode-se questionar algumas “coincidências” na Operação Turing, como, por exemplo, o fato de um servidor comissionado do Governo do Maranhão ser exonerado ou ter “pedido exoneração” poucos dias antes da PF ‘estartar’ a ação ou ainda o fato de praticamente todos os blogueiros levados à Polícia Federal serem de oposição ao governo Flávio Dino, por outro não tem como esconder que alguns colegas estavam exagerando em práticas que nada têm a ver com jornalismo, menos ainda com jornalismo investigativo. Estava claro a existência de uma teia promíscua entre blogueiros, agentes públicos e privados cada um querendo ganhar o seu nos mesmos termos e modus operandi que acabou provocando a execução do blogueiro Décio Sá.

O fato é que há blogueiros e blogueiros. E como a atividade não e regulamentada por lei, não há como impor um limites éticos à ela, daí que a blogosfera se torno praticamente uma “terra de ninguém”.

Nesse sentido, caberá sempre ao leitor separar o joio do trigo e avaliar quem merece não apenas ser lido, mas, sobretudo, levado a sério nessa área.

Trabalhada com equilíbrio e com um mínimo de ética possível, a blogosfera se torna não somente num meio extraordinário de informação, uma grande prestadora de serviço à sociedade e mesmo uma forma de ganhar dinheiro honestamente, já que o veículos tradicionais de comunicação não tem tanta liberdade como as novas mídias alternativa.

O desafio, porém, é não transformar os blogs em “armas de destruição em massa” no que diz respeito à reputação alheia ou em meio de ganhar dinheiro na base do vale tudo, pois dessa forma acabam virando-se contra os próprios editores. Aliás, práticas de extorsão de blogs são tão nocivas à imagem dos blogueiros quanto àquelas que agridem, desonram, e despeitam pessoas e seus familiares.

De qualquer forma, lamento profundamente pelos colegas, alguns que tenho até na cota de amigo pessoal, terem que enfrentar tamanha situação, repito, constrangedora.

Que a verdade prevaleça e faça justiça a quem merece.


O deputado estadual licenciado e atual secretário de Desenvolvimento Social, Neto Evangelista, é uma das estrelas das inserções do PSDB que começaram a ser veiculadas no horário partidário da TV nesta semana.

Na peça publicitária, o tucano ressalta as ações da sociais sob o seu comando na Sedes, principalmente os restaurantes populares, os centros de assistência social e benefício para compra de material escolar.

– Vamos seguir em frente, trabalhando e com o orgulho de ser maranhense – pontou.

O jovem tucano não está com pinta de quem vai deixar o PSDB não…

Confira a seguir o vídeo com Neto Evangelista:

Imagem de Amostra do You Tube

 

 


Acontece logo mais, a partir das 17h, na galeria do Centro de Criatividade Odilo Costa, filho, um tributo em homenagem ao artista popular Jeremias Pereira da Silva, o Gerô.

O evento é organizado pelo cordelista Moizes Nobre, amigo e que por muito tempo foi parceiro de Gerô, e conta com a parceria do Centro de Criatividade odilo Costa, filho, Secretaria de Estado de Direitos Humanos e Participação Popular, Sinproesemma, e conta ainda com o apoio dos deputados Zé Inácio e Bira do Pindaré.

Gerô foi brutalmente espancado até a morte por policiais militares na tarde do dia 22 de março de 2007. Era muito querido no meio artístico, popular e político, e chegou a gravar quatro CDs e diversos jingles de campanhas políticas e eleitorais.

Gerô, presente!

Confira a programação:

17h – Fala de boas vindas do diretor do Centro, senhor Laurindo Teixeira.

Abertura de exposição de objetos de Gerô (violão, figurinos, livros, livretos, CD etc.)

Performance de dança de um grupo de mulheres negras com uma musica de autoria de Gerô.

18hs- Bate-papo com Moizes Nobre sobre a vida e obra de Gerô

18h20 – Samba em homenagem a Gerô com Gigi Moreira

18h30 – Roda de conversa sobre direitos humanos, lei estadual de combate à tortura e igualdade racial com Francisco Gonçalves (secretário de Direitos Humanos, que na ocasião representará o governador); Gerson Pinheiro (secretário de igualdade Racial); professor Julio Pinheiro (vice-prefeito de São Luis); Luis Antonio Pedrosa (OAB-MA); deputado Zé Inácio (ex-presidente da Comissão de Direitos humanos da ALEMA), Silvio Bembem (doutorando em Politicas Publicas e ativista politico); professor Nonato Chocolate (ativista politico e militante do Movimento Negro) e Joberval Bertoldo (ex-vereador e ativista politico).

19h30 – Sarau em homenagem a Gerô com os artistas Joãozinho Ribeiro, Josias Sobrinho, Sergio Habibe, Arlindo Carvalho, Cesar Teixeira, Rosa Reis, Fátima Passarinho, Zeca Barbosa, Luis Junior, Zé Maria Medeiros, poetas Moisés Abilio, Paulinho Nó Cego, Raimunda Frazão, Walbert Guimarães, Fernando Abreu, Tiburcio Bezerra, Moizes Nobre, entre outros.