FRASE DO DIA

Nessa primeira fase de funcionamento, a comissão já decidiu que a denúncia será exclusivamente sobre os dois itens que são contidos na denúncia da Câmara.

(Senador Raimundo Lira, presidente da Comissão do Impeachment)

2 Comentários

O Sindicato dos Servidores da Justiça do Estado do Maranhão (SINDJUS-MA) e os servidores do Poder Judiciário realizam neste domingo, 01/05, Dia do Trabalhador, a partir das 9 horas, ato público na Avenida Litorânea, na Praia de São Marcos, em frente a barraca “Alô, Alô Marciano”.

O ato público é em defesa do funcionalismo público que está abandonado pelo Governo Flávio Dino. E em defesa da suplementação orçamentária necessária para o pagamento das perdas inflacionárias e da Gratificação por Produtividade Judiciária-GPJ.

Os servidores irão protestar pela garantia da reposição constitucional e anual das perdas inflacionárias, valorização dos servidores admitidos por concurso público, redução dos cargos comissionados, democratização da justiça e a eleição direta para presidentes dos tribunais.

Também, serão distribuídos brindes ecológicos e um manifesto com informações à população e aos servidores presentes, explicando as atribuições da Justiça, do papel dos sindicatos na promoção da cidadania e direitos trabalhistas.


EXPECTATIVA DOS SERVIDORES
Os servidores da Justiça maranhense estão no aguardo de um posicionamento do presidente do TJ-MA, desembargador Cleones Cunha, acerca da suplementação orçamentária necessária para o pagamento das perdas inflacionárias e da GPJ.

Segundo informado pelo magistrado, o pedido de suplementação foi feito para o governador Flávio Dino em 16 de março. Mas, até agora, os servidores não tiveram acesso ao teor desse documento.

A categoria quer um posicionamento do desembargador Cleones Cunha sobre o pagamento das perdas inflacionárias, GPJ e atualização dos auxílios recebidos (alimentação, creche e saúde).

A greve foi suspensa num voto de confiança da categoria à atual administração do TJMA. Até o fechamento da folha de pagamento de maio, caso nenhuma solução aos pleitos dos servidores for encaminhada pelo Tribunal e pelo Governo do Estado, o SINDJUS-MA terá de convocarAssembleia Geral para deliberar quais os próximos passos a serem dados pelos servidores do Tribunal de Justiça do Maranhão.


gamaLíder em todas as pesquisas de intenção de voto para prefeita de São Luis, a deputada federal Eliziane Gama (PPS) tem Maranhão sido alvo de criticas constantes na imprensa e nas redes sociais por algumas das posições que tem assumido no exercício do seu mandato.

Primeiro foi quando do voto da parlamentar a favor do impeachment da presidente Dilma. Eliziane apanhou horrores de setores da esquerda e dos movimentos sociais, em especial de movimentos feministas que apoiam a presidente Dilma.

Agora a deputada volta a ser mira de críticas e ataques porque subscreveu denúncia contra o polêmico Jair Bolsonaro na Procuradoria Geral da República.

O Blog do Robert Lobato entende que nos dos casos há injustiças com Eliziane Gama.

No caso de impeachment a irmã sempre teve posição clara contra Dilma e o PT. Certa ou errada, ela nunca deixou dúvidas quanto à oposição que faz ao governo federal. É possível que mesmo se tivesse aceitado o convite de filiação ao PSB teria voto a favor do impeachment. Ou seja, a Eliziane foi coerente com as suas concepções goste-se ou não.

Em relação ao pedido de cassação do psicopata do Jair Bolsonaro, claro que Eliziane está correta. Não somente enquanto uma democrata que é, mas sobretudo como mulher de forte formação progressista e comprometida com as causas dos diretos humanos.

Nos dois casos Eliziane mostrou personalidade política. Se às vezes é questionada aqui e ali pelos zigue-zagues políticos que pratica, o fato é que ela não pode ser execrada porque votou pelo impeachment e assinou o pedido de cassação de Bolsonaro.

Em ambos os casos o tratamento dispensado à deputada traz a chaga da intolerância que tem marcado estes tempos de polarização politica no país.

Fica aqui registrada a solidariedade do Blog do Robert Lobato à deputada Eliziane Gama.


por Patricia Gebrim, Vya Estelar

Ora, todos nós, desde que somos crianças, aprendemos com nossos pais e professores uma série de regras para viver em sociedade… “corte com a faca na mão direita”… “ não faça barulho com o canudinho do refrigerante”… “agradeça quando alguém der algo a você”… e por aí vai.

Aprendemos, assim, o que “se deve” e o que “não se deve” fazer.

Até aí, tudo bem, porque é necessário que saibamos usar essas máscaras com sabedoria para nos relacionarmos com as outras pessoas com respeito e harmonia.

– Como seria se eu decidisse ir a uma palestra importante vestindo maiô e canga, só porque está fazendo esse terrível calor? – eu penso, enquanto visto meu terninho e sapatos de salto alto. É claro que estou usando uma máscara, de certa forma construindo um personagem, e DESDE QUE EU SAIBA DISSO, está tudo bem.

Os problemas acontecem quando nos esquecemos de quem somos e nos misturamos com as máscaras que criamos.

Para ajudar você a visualizar isso, vou falar de duas máscaras que são muito usadas pelas pessoas. É claro que existem infinitas possibilidades de criarmos personagens, mas a minha idéia é ajudar você a perceber o mecanismo. Vamos lá?

Máscara da agressividade

Imagine que Melindra (inventei o nome, ok?) tenha sido criada em uma família dessas poderosas, com pessoas fortes, que valorizavam a força, a coragem, a audácia. A ironia é que Melindra não era tão corajosa assim, e nem teria que ser, afinal, era apenas uma criança aprendendo a lidar com um mundo que é vasto e, muitas vezes, assustador. Mas o fato é que toda vez que chorava, Melindra era um pouco desprezada nessa família de fortes.

Com o tempo, ela foi aprendendo que seria muito mais valorizada se se mostrasse decidida, invulnerável e independente. Melindra cresceu e se tornou poderosa. É diretora de uma empresa multinacional e seus subordinados têm medo dela. É muitas vezes agressiva, jamais admite um erro, e parece ter o poder de intimidar as pessoas. Conseguiu muitas coisas graças a esse jeito de ser, mas no fundo não se sente tão forte assim. Muitas vezes se sente horrivelmente cansada e assustada, e nessas vezes se mostra ainda mais assustadora, para que ninguém perceba a sua “fraqueza”. Ela continua agindo pela vida como imaginava que as pessoas gostariam que agisse, de acordo com essa máscara que construiu. O seu Eu mascarado poderoso existe porque ela quer ser aceita pelas pessoas, e porque não quer que percebam como na verdade se sente vulnerável.

No fim, o que acontece é que ela representa tão bem seu papel que ninguém a enxerga como é. Ninguém percebe o quanto se sente cansada, o quanto precisa de ajuda e compreensão. Melindra raramente receberá um colo ou carinho. Com certeza atrairá muitas situações difíceis, pessoas que a confrontarão, confirmando a hipótese de que o mundo é mesmo agressivo e que ela deve se armar e se defender. Vocês percebem? Melindra tornou-se prisioneira de sua máscara. Com o tempo, até mesmo Melindra se esquece de quem é, e em alguns casos, passa a achar estranhos sentimentos como afeto, cuidado e amor, como se fossem falsos ou hipócritas.

Bem, o caminho de crescimento para uma pessoa como Melindra envolve um risco que ela consideraria enorme… o risco de deixar que as pessoas vejam o que se esconde sob a máscara. Deixar que percebam que ela não é tão forte como parece, mostrar que também tem medo às vezes, que também se cansa, que também precisa de ajuda… um risco e tanto para alguém como ela!

Máscara do amor

Bem, agora vou criar outro personagem, vou chamá-lo Révis.

Révis, diferentemente de Melindra, foi criado em uma família que tinha como valores principais a generosidade, a ajuda ao próximo, a bondade, o perdão, o amor. Em sua casa qualquer expressão de raiva era vista como algo ruim (e não como força, como no caso de Melindra). Assim, ele aprendeu que devia conter sua raiva, ser sempre compreensivo, amoroso e gentil. Quando agia assim era aceito e amado. Quando explodia era criticado ou deixado de lado.

Por outro lado, quando Révis chorava e se mostrava fraco, era acolhido e ganhava um delicioso achocolatado que sua mãe lhe preparava com todo o carinho, enquanto o abraçava… “Pobrezinho, mamãe está aqui”, dizia ela.

*Uma observação… estou simplificando a coisa toda para que caiba neste artigo. É claro que não estou responsabilizando os pais por sermos quem nos tornamos, e sim ressaltando todo um ambiente (pais, escola, pessoas com quem convivemos) como parte da formação da nossa personalidade, ok?

Bem, o fato é que Révis cresceu e construiu um Eu Mascarado que era pura bondade. Trabalha em inúmeros projetos sociais, ajuda muitas pessoas, não ganha lá muito dinheiro, é verdade. As pessoas o veem como uma pessoa generosa, gentil, compreensiva, boa. É claro que muitas pessoas passaram a tentar se aproveitar dele. Outras grudam nele como sanguessugas, ligam de madrugada para falar de seus problemas, pedem dinheiro emprestado (sempre esquecem de devolver, é claro), chegam uma hora atrasadas em um encontro sem se preocupar, porque sabem que “Révis não se importa, é tão bonzinho…”. Raramente Révis se impõe ou perde a paciência com alguém. Quanto muito fica amuado, tristemente encolhido em um canto, com cara de cachorro sem dono, esperando assim que as pessoas se arrependam de tê-lo feito sentir-se tão mal assim.

No fundo Révis sente muita raiva. Também se sente tão cansado quanto Melindra. Não consegue se sentir valorizado, não consegue impor limites, não sabe dizer “Não”. Seu Eu Mascarado o aprisiona também. Não pode sequer lidar com a idéia de que, como qualquer ser humano, sinta raiva, ciúme, inveja e até mesmo ódio. Não consegue se colocar em primeiro lugar. Não enfrenta as pessoas.

Seu caminho de crescimento requer que, como Melindra, ele enfrente um enorme desafio: o de correr o risco de ser quem é. Seu desafio é mostrar que não é sempre tão bonzinho como pensam. Que, como qualquer pessoa, também se irrita, e que é capaz de dizer “não” quantas vezes for necessário. Révis precisa parar de querer agradar sempre e correr o risco de que não gostem dele. Afinal, é impossível agradar a todos, não é? Precisa deixar aparecer aqueles sentimentos que aprendeu a considerar “maus”. Precisa deixar que as pessoas percebam que também fica bravo, que não está disponível 24 horas por dia e que merece ser respeitado.

Deixando um pouco as máscaras de lado, acho importante ressaltar que é claro que existem pessoas que são verdadeiramente fortes e verdadeiramente amorosas. Isso nem sempre é uma máscara!!! Mas quando essas qualidades são reais, elas não pesam. Podemos ser fortes sem precisar negar os momentos em que nos sentimos vulneráveis. Podemos ser amorosos sem nos apagar ou diminuir por isso. Quando somos de verdade fortes, ou amorosos, fazemos isso sem sentir aquele cansaço e mal estar que a máscara trás.

Ouça… Se você está se sentindo pesado e sem vida, com certeza está usando uma máscara. Descubra-a a tenha a coragem de tirá-la.

Só podemos sentir a brisa da vida com o rosto descoberto!


Parece que algumas feministas têm dificuldades de entender que nem todas as mulheres consideradas “bela, recatada e do lar’, aceitam apenas ser “mulher de cama e mesa“.

Minha formação política forjada ao longo de mais de 30 anos de militância social exige o completo respeito à luta das mulheres por direitos e emancipação que há séculos lhes foram negados, mas que com muito suor, dor e até sangue, as meninas conseguiram se impor e conquistar várias vitórias históricas.

Confesso que entendo muito pouco de movimentos feminista. O que sei são conceitos genéricos por conta de algumas leituras e que ouço de algumas militantes feministas, cujos esteriótipos entre a maioria dos homens, politizado ou não, são mulheres de que reclamam de tudo um pouco ou que têm problemas com outras mulheres que, por algum motivo, não entendem ou não querem se pautar pelos discursos políticos dos movimentos feministas.

Pois bem. Nos últimos dias houve a maior polêmica por conta de fotos sensuais da ex-Miss Bumbum, Milena Santos – quem é Miss Bumbum no Brasil nunca será “ex” -, que por sinal é esposa do ministro do Turismo, Alessandro Teixeira.

Bastou a moça mostrar seu dotes recebidos pelas bênçãos dos céus para ser trucidada por setores feministas que, igualmente a alguns machistas, só veem as curvas da bela modelo sem procurar conhecer a sua história de vida, o que faz, qual sua origem etc.

Ora, o corpo de uma pessoa é sagrado. Talvez seja a mais particular das posses do ser humano. A ninguém é dado o direito de desqualificar o próximo pelo uso que faz do seu corpo. Ainda mais quando se trata de um corpo lindo como é o da Milena Santos.

Parece que algumas feministas têm dificuldades de entender que nem todas as mulheres consideradas bela, recatada e do lar’” aceitam apenas ser “mulher de cama e mesa”. Negativo! Conheço algumas dondocas de “grelo duro”, mas que não gostam de empulhar bandeiras feministas publicamente. É um direito delas!

“Bob, e qual é a tua opinião sobre as mulheres que se definem como ”bela, recatada e do lar’ como disse a Marcela Temer, esposa do vice-presidente Michel Temer”?, poderia peguntar Mariana Azevedo, leitora assídua do blog.

Bom. em primeiro lugar qualquer mulher tem o direito de se autodefinir como quiser.

Conheci uma no Rio de Janeiro que dizia na cara do marido, um amigo de faculdade, ser “uma mulher guerreira com os filhos durante o dia e uma lutadora com o marido à noite na cama”. Eu até brincava com ela perguntado se o “lutadora” era porque ele negava fogo. Claro que não era o caso. Rejane é uma mulher de personalidade forte.

O fato é que uma mulher pode se definir como bem entender. Lógico que há uma diferença enorme entre uma mulher ser “bela, recatada e do lar’  ou “Miss Bumbum”, e ser alienada, tonta, que não está nem aí para a história do Brasil.

Não sei é o autor ou autora da frase “Mulher não pode se resumir a um depósito de espermas”, mas o fato é que é corretíssima.

Enfim, o Espaço Feminino demorou a voltar, mas quando voltou foi trazendo um bom assunto para o debate. 🙂

Meninas, o que não pode sãs vocês dar chance para um dia ouvir isso aqui de um marmanjo:

Aceite uma ajuda do seu futuro amor
Pro aluguel

Devolva o Neruda que você me tomou
E nunca leu

Eu bato o portão sem fazer alarde
Eu levo a carteira de identidade
Uma saideira, muita saudade
E a leve impressão de que já vou tarde.

A dica não é de Bob Lobato.

É de Chico Buarque.


Dep. Rogério Cafeteira vê disputa qualificada com Mário Macieira candidato a prefeito de São Luis.

Teve grande repercussão na classe política de São Luis, na imprensa e entre militantes e filiados do PT, o post do Blog do Robert Lobato sobre a possibilidade da candidatura a prefeito de São Luis  do ex-presidente da OAB-MA, Mário Macieira (reveja).

O líder do governo na Assembleia Legislativa do Maranhão, Rogério Cafeteira (PSB), por exemplo, usou a rede social do Twitter para elogiar o perfil do advogado petista.

“A disputa pela prefeitura de São Luís sem dúvida ganharia com @mariomacieira candidato”. E depois complementou: “@mariomacieira Qualificado e competitivo.”,

cafifa2

cafifa

Filiado ao PT desde 1988, Mário Macieira ainda não trata sobre o assunto nem dentro e muito menos fora do PT, mas a movimentação dos simpatizante pelo nome do advogado cresce diariamente no partido.

É aguardar e conferir.


Por que não transformar suas reclamações em ações para mudança daquilo que você tanto reclama e que te faz “infeliz”?

Luciléia Aguiar, Administradores.Com

Sim, reclamar é uma arte. E alguns indivíduos possuem uma habilidade incrível para isso. As queixas vão desde uma colher que caiu no chão a um e-mail no qual não foi copiado no ambiente de trabalho. Mas este artigo não tem a intenção de dizer se reclamar é certo ou errado, o que se quer é levar o leitor a pensar sobre a real necessidade de algumas reclamações.

Um pastor norte-americano chamado Will Bowen lançou um desafio à sua congregação: ficar 21 dias sem reclamar. A ideia do pastor era fazer com que as pessoas reclamassem menos e fossem mais felizes. O desafio consistia em colocar uma pulseira no pulso e ir trocando de braço à medida que fosse feita uma reclamação, começando novamente a contagem dos dias. Caso não houvesse nenhuma reclamação durante os 21 dias, o desafio terminaria e a pulseira poderia ser retirada.

Ao ler sobre esse movimento, decidi fazer o desafio. Comprei uma pulseira nova e coloquei em um dos pulsos. O resultado foi que passei 21 dias trocando a pulseira de braço, pois não deixei de me queixar um dia sequer. Apesar de não ter concluído o desafio, percebi que reclamar menos fez com que eu me sentisse mais tranquila, aceitando aquilo que eu não podia mudar naquele momento. Também consegui começar a pensar mais antes de falar, pois procurava encontrar uma solução para o problema antes de falar mal dele.

No livro 99 doses de Nietzsche, Allan Percy destaca que conviver com pessoas viciadas em reclamar é um tormento. Ele ainda ressalta que ninguém presta atenção de verdade aos lamentos dos outros, e que expressar uma situação negativa não ajuda a resolvê-la. Aliás, por trás de toda negatividade existe um sinal de impotência do indivíduo.

Mas algumas reclamações incentivam mudanças, e até são estimuladas. Não é à toa que algumas empresas estão sempre perguntando ao consumidor sobre sua satisfação com o atendimento e o produto. No entanto, a reclamação infundada ou gratuita não acrescenta ou muda nada em sua organização ou até mesmo na sua vida pessoal. Não é raro ver funcionários reclamando do ar condicionado da empresa, do spam que recebeu no e-mail, do tempo que está quente ou frio, da quantidade de trabalho para fazer, do salário que é pouco, do café que está ruim. Tudo é motivo para queixas.

Por outro lado, o aumento das reclamações também deve ser levado em consideração, pois pode indicar a ocorrência de algum problema mais grave, tanto pessoal quanto profissional. Muitas vezes, o nível de tolerância do indivíduo pode estar tão baixo que a única maneira ou escape que ele encontra é exteriorizar essa insatisfação por meio de reclamações superficiais ou insignificantes. É como uma maneira de chamar a atenção para si e para o seu problema.

O importante é fazer uma autoanálise e tentar entender os reais motivos de suas reclamações, procurar saber se você está se sentindo frustrado com algo e não está conseguindo resolver, ou ainda se está tendo uma visão limitada do mundo, onde só vê um lado das partes. Às vezes você só precisa de uma mudança de postura, olhar a situação por outro ângulo, empatia. E o mais importante de tudo, tentar não jogar suas insatisfações na família, nos amigos, nos colegas de trabalho, pois as outras pessoas já estão bem ocupadas tentando resolver seus próprios problemas. Por que não transformar suas reclamações em ações para mudança daquilo que você tanto reclama e que te faz “infeliz”?

Confesso que até esse artigo foi alvo de muitas reclamações de minha parte e quase não foi finalizado. Acho que tem alguém precisando voltar para o desafio da pulseira…


Nos dois municípios a população não está tendo acesso a serviços bancários de qualidade. 

bancosEm reunião com técnicos do Banco do Brasil (BB) realizada quarta-feira no edifício-sede da instituição em Brasília, o deputado federal Aluisio Mendes cobrou a reabertura das agências bancárias em Lago da Pedra e Buriticupu. Nos dois municípios a população não está tendo acesso a serviços bancários de qualidade.

Em Lago da Pedra, a agência do Banco do Brasil está em reforma e funcionando de forma precária. Após relatar a situação, Aluisio Mendes obteve dos representantes do Banco do Brasil a garantia de que até o final de maio aquela agência será entregue à população reformada, ampliada e modernizada.

Com relação a Buriticupu, o deputado disse que o grande problema enfrentado é a crescente onda de assaltos a bancos registrados nos últimos anos, o que cria dificuldades para o Banco do Brasil reabrir a agência.

Como medida de contenção dos assaltos, Aluisio Mendes fará gestões junto ao Governo do Maranhão para reforçar a segurança no município, a exemplo do que foi feito na época em que ele era secretário estadual de Segurança Pública, período em que não houve assaltos na região. “Faremos essa solicitação para que a agência possa reabrir com segurança para funcionários e a população de Buriticupu”, afirmou.


wc_vencerO deputado estadual Wellington do Curso deu mais um importante passo na sua caminhada rumo ao projeto de candidatura a prefeito de São Luis.

Em consequência do indeferimento da Justiça do pedido de liminar feito pelo deputado federal Waldir Maranhão para voltar ao comando estadual do Partido Progressista (PP), a sigla não só continuará sob a presidência do também deputado federal André Fufuca, como Wellington foi alçado à condição de presidente municipal da sigla em São Luis.

Wellington do Curso em recente reunião com o senador Ciro Nogueira, presidente nacional do PP, e o atual presidente estadual André Fufuca.

O pedido de Limiar operado por Waldir objetivava declarar a nulidade da Resolução nº 10/2016 da Comissão Executiva do Diretório Nacional do PP que dissolveu a Comissão Executiva Regional e defenestrou o deputado da presidência do partido.

Com a negativa da Justiça às pretensões de Waldir Maranhão retomar o controle do PP no estado, a pré-candidatura de Wellington do Curso não somente se consolidou partidária e politicamente, como a partir de agora o pré-candidato estará apto a conversar com outros partidos e forças políticas que queiram somar na construção do projeto “Wellington prefeito – 11”.

Isso tudo sem falar que Wellington está afinadíssimo com o Andre Fufuca e o senador Ciro Nogueira, que é o presidente nacional do PP.

É isso aí.


O deputado estadual Neto Evangelista participou do último evento e já confirmou presença no Planeja desta quinta-feira.

planejaA bateria de seminários Planeja chegou à região limítrofe de São José de Ribamar. Realizado pela Executiva Municipal do PSDB ribamarense, o evento já passou pela sede, zona rural, região das vilas e, na última terça-feira, dia 26, ouviu e coletou propostas da população do Parque Vitória, Parque Jair e adjacências.

Nesta quinta-feira, dia 28, no colégio Marista (Araçagy), às 19 horas, será realizado o segundo seminário direcionado aos bairros situados na região limítrofe.

Luis Fernando e Neto Evangelista na quinta edição do Planeja.

Luis Fernando e Neto Evangelista na quinta edição do Planeja..

No Planeja da última terça-feira, além da presença forte de lideranças, do ex-prefeito Luis Fernando e dos vereadores, o evento contou com a participação do deputado estadual Neto Evangelista, atual secretário de estado do Desenvolvimento Social.

Segundo Evangelista, a ideia de voltar a participar de mais uma edição do Planeja foi para adquirir mais conhecimento da metodologia e, desta forma, editar uma versão em São Luís.

Para o ex-prefeito Luis Fernando, o maior destaque registrado nos seminários já realizados é, sem dúvida, a apresentação das propostas por parte dos cidadãos. “As soluções que estão aparecendo no Planeja, são simples, mas de uma grandeza extraordinária e de uma eficácia maior ainda. Ou seja, vale aquela lição que sempre digo: o cidadão sabe mais do que qualquer governante o que é pra fazer”, comentou.

Na opinião do ex-prefeito, político que quer acertar mais ou errar menos não pode deixar de perguntar para o cidadão o que é para ser feito. “E é isso que estamos fazendo aqui (no Planeja”, arrematou Luis Fernando.

No vídeo abaixo o pré-candidato fala sobre o Planeja. Confira:

Imagem de Amostra do You Tube


Uns dos mais qualificados quadros do PT, Mário é filiado ao partido desde os tempos de juventude no movimento estudantil da Ufma.

Ele não fala sobre o assunto e não tem feito movimentos nesse sentido, mas o ex-presidente da Ordem dos Advogados do Maranhão no Maranhão, Mário Macieira, é apontado por personalidades importantes e influentes do PT com o nome que pode unificar o partido no projeto de candidatura própria a prefeito de São Luis.

Uns dos mais qualificados quadros do PT, Mário é filiado ao partido desde os tempos de juventude no movimento estudantil da Ufma onde foi presidente do Diretório Central do Estudantes. Nunca cortou com laço com o PT e sempre esteve presente nos principais movimentos de defesa da democracia, cidadania, direitos humanos e justiça social.

A favor de Mário Macieira tem ainda a boa relação com o governador Flávio Dino e os seus principais auxiliares, inclusive, claro, com os petistas que ocupam cargos no governo. Sem falar no ótimo trânsito que possui em todas as correntes intermas do PT.

“Mário é o quadro que pode unificar o PT em torno de um projeto para São Luis e que aponte para cenários mais promissores ao partido, que há anos está metido em brigas autofágicas intermináveis. Petista de longas datas, o companheiro reúne condições partidárias, políticas e garra militante para defender o legado dos governos Lula e Dilma, e tem sido um bravo defensor do mandato da nossa presidenta contra o golpe em curso”, disse um petista que pediu anonimato para”evitar crises e ciumeira”.

Em dezembro do ano passado, Mário Macieira disse ao Blog do Robert Lobato que voltaria a se dedicar à advocacia assim que passasse o cargo de presidente da OAB-MA ao vencedor da eleição da entidade. Cogita-se, na época, que ele seria convidado por Flávio Dino a assumir um posto no governo (reveja aqui).

 Já se colocaram à disposição do PT para a disputa da prefeitura de São Luis, o deputado estadual Zé Inácio, o primeiro a puxar esse debate; o vereador Honorato Fernandes e mais recentemente o médico Yglésio Moyses.

Mas, caso Macieira resolva topar a disputa, poderá realmente unificar o PT nas eleições municipais de 2016.

Vale a pena aguardar.