FRASE DO DIA

Serra, o entreguista, errou de aposta nos EUA foi congelado por Trump;quis remediar entregando Alcântara, Exército vetou; virou mico.

(Roberto Requião)

Comentar

Distribuir imagens sem consentimento pode render até um ano de prisão.

Imagem: Getty Images

A Câmara dos Deputados aprovou na última terça-feira um projeto de lei que transforma em crime a divulgação de “nudes” sem consentimento da pessoa.

O texto do projeto 5555/13, do deputado João Arruda (PMDB-PR), reconhece como violência doméstica a distribuição “de imagens, informações, dados pessoais, vídeos, áudios, montagens ou fotocomposições da mulher, obtidos no âmbito de relações domésticas, de coabitação ou de hospitalidade.”

O projeto, que altera parte da Lei Maria da Penha, prevê punição de de três meses até um ano de cadeia, além de multa, para os envolvidos. A pena de reclusão aumenta caso a vítima seja vítima de algum tipo de deficiência ou se a distribuição tiver motivo torpe – caso, por exemplo, do chamado “pornô de vingança”, em que ex-companheiros espalham imagens degradantes de uma pessoa como “punição” pelo fim do relacionamento.

Agora, o texto segue para aprovação no Senado.

Do UOL


Em defesa dos professores da Rede Pública do Estado do Maranhão, o deputado estadual Wellington do Curso (PP) participou, na tarde desta quarta-feira (22), de audiência pública que abordou a Medida Provisória N.230/17, de autoria do Executivo. A audiência é resultado de várias solicitações de professores, que estão revoltados com a Medida Provisória que, dentre outras coisas, congela vencimentos dos professores ao violar o art.32 do atual Estatuto do Magistério, que impõe obrigatoriamente o reajuste dos vencimentos.

Durante a audiência, vários professores desabafaram e mostraram a insatisfação que permeia a categoria.

“O atual governo nos desrespeita. Quem padece somos nós. Nosso Sindicato? Esse não nos representa. Representa o Governo, mas não os professores. E essa Assembleia aqui está mais uma vez sendo posta a teste: se é do lado do povo ou é apenas um puxadinho do Governo. Se nossa juventude está perdida no mundo das drogas a culpa é dos governantes”, desabafou o professor Rezzo Junior.

Indo ao encontro do desabafo do professor Rezzo, o próprio diretor do Sinproesemma, Euges Lima, concordou com a “politização do Sindicato”.

“Houve discussão sobre o tema no Sindicato, mas é com tristeza que vemos que a vontade política predominou. Sem discutir coisa alguma com a categoria dos professores. Essa Medida é nociva aos interesses da nossa categoria”, afirmou Euges.

Os professores abordaram ainda o congelamento dos vencimentos e a tentativa do governo em reduzir o percentual de reposição salarial.

“Querem congelar nossos vencimentos. Desde 2016, não tivemos o reajuste conforme o art 32 da 9.860/13 assegura. Não queremos só gratificação, mas sim reposição salarial de 19,87%. Qual a desculpa deles para retirar nossos direitos? Eles dizem que não há recursos. Para a Secretaria de Comunicação eles aumentam orçamento, e nós, professores, ficamos como?”, falou o professor Marcelo Pinto.

“Devem ter pensado ‘Vou dar uma esmola e o professor vai se calar. Nós somos profissionais. Tem que respeitar. Não estamos pedindo esmola. Só queremos que se cumpra a lei”, disse a professora Katia Pinheiro.

Ao ouvir os desabafos dos professores, o deputado Wellington reafirmou seu compromisso incondicional com a classe e disse que irá apresentar as alterações à Medida Provisória, impondo um reajuste justo e de acordo com a lei para os educadores.

“Enquanto educador, eu não poderia me omitir. Não posso ver os vencimentos de professores sendo congelados e não fazer coisa alguma. Isso seria contraditório. Não somos contra o aumento da gratificação. Defendemos também o reajuste dos vencimentos de 11,36% retroativo a janeiro de 2016 e 7,64% referente à janeiro de 2017. Os nossos professores não estão pedindo favor algum: o Estatuto do Magistério impõe a obrigatoriedade desse reajuste. Iremos apresentar as alterações por meio de emenda à Medida Provisória, além de solicitar ao governo o reajuste de 19,87%. Tais pedidos refletem, tão somente, a vontade do professor, que merece ser respeitado e valorizado”, afirmou o professor deputado Wellington.

Além do deputado Wellington, estiveram presentes o Deputado Eduardo Braide (PMN), o Deputado Max Barros (PRP), o Vereador e Professor Sá Marques (PHS), além do Professor da UEMA Saturnino e o Professor do Estado Antonisio Furtado , representando a categoria.


Jovem pede um “Fora Canindé Barros”. (Foto: Hilton Franco).

O secretário de Trânsito e Transportes de São Luis, Canindé Barros, é considerado pelos “puxas” o ” maior e melhor especialista do mundo” nessa área. Já para a imensa maioria da população da capital, porém, não passa de fanfarão, demagogo, oportunista e incompetente.

Em entrevista a um programa de rádio ontem, segunda-feira, 21, por exemplo, o secretário afirmou que a SMTT estava autorizada a apreender os veículos que estão trabalhando pelo Uber, na capital.

A declaração, de tão infeliz, fez com que Canindé Barros recuasse em menos de 10h da sua posição que não pode ser definida de outra forma que não idiota e demagógica.

Mas coube ao vereador Paulo Victor (PROS) enquadrar o “maior e melhor especialista” em Trânsito e Transporte  de todos os tempos. Assim:

 “Um secretario não tem autonomia de fazer isso. Foi um infeliz comentário, pois ele não se resguardou juridicamente . Ele vai apreender o carro em que circunstância de lei? Como ele vai saber identificar quem é Uber e quem não é Uber?”.

O secretário poderia dormir sem essa.


Deve-se reconhecer que o governador Flávio Dino acertou, política e administrativamente, ao convidar o vereador por São Luis, Pedro Lucas Fernandes (PTB) para ocupar a presidência da Agência Metropolitana, órgão que terá a missão de coordenar o processo de de Metropolização de São Luís com mais 12 municípios.

Acertou na política porque coloca ao seu lado um vereador da capital atuante e de grande credibilidade junto à classe política local. Sem falar que Pedro Lucas é filho do experiente e talentoso deputado federal Pedro Fernandes, presidente estadual do PTB, partido que poderá vir integrar o palanque da campanha de reeleição do comunista em 2018. Eu disse “poderá”, uma vez que até tem muito chão pela frente – além de um Sarney.

E governador acerta administrativamente porque a presença de um jovem político à frente da Agência Metropolitana pode dar maior dinamicidade nesse processo que precisa, de uma vez por todas, se transformar em realidade já que muitos dos problemas em comum que municípios da região enfrentam pode ser resolvidos ou atenuados com a metropolização.

“Agradeço a confiança do governador. Sei que fui reeleito vereador e, como integrante da equipe do Governo do Estado, reafirmo que à frente da Agência Metropolitana continuarei sendo representante do povo ludovicense e, agora, dos outros 12 municípios que integram a Região Metropolitana da Grande São Luís”, assegurou Pedro Lucas.

Formado em Administração de Empresas, Pedro Lucas toma posse no cargo na próxima quinta-feira, dia 2 de março, às 15h, no Palácio Henrique de La Rocque. Com a saída de Pedro Lucas da Câmara de Vereadores, quem assume sua vaga no Legislativo de São Luís será Joãozinho Freitas, também do PTB.

O Blog do Robert Lobato deseja sucesso ao vereador Pedro Lucas nessa sua nova empreitada pública.


O professor Gledson Brito enviou ao Blog do Robert Lobato sua opinião, em forma de artigo, sobre o aplicativo Uber, que acaba de chegar a São Luis.

Para o professor, o Uber expressa “um novo passo nas terceirizações, que, entretanto, ao mesmo tempo que se complementa também pode concorrer com o modelo anterior das redes de subcontratações compostas pelos mais diversos tipos de empresas” e acha curioso como muitas pessoas de esquerda, hostis à reforma trabalhista e às terceirizações. “Bom vê o debate acerca destas flexibilizações sem alguns ranços tidos como de esquerda que sequer aceita debater estes temas, pois para eles a CLT deve ser sacralizada e não pode em hipótese alguma ser mexida. Foi bom ver, pelo menos em São Luís, todos aceitando a flexibilização que implica o UBER e achando isso algo muito bom.”.

Confira a íntegra do artigo do nobre professor.

Sobre o UBER cabe uma reflexão. O lado B do aplicativo

Presenciei a festa, comemoração e a polêmica da chegada do UBER em São Luís, o aplicativo que é de uma empresa multinacional americana de transporte privado urbano que utiliza um aplicativo para comunicação entre o passageiro e motorista particular associado ao aplicativo. Assim se torna um serviço semelhante ao táxi tradicional, conhecido popularmente como serviços de “carona remunerada”.

Bem, os debates nas redes sociais ficaram basicamente na velha antítese ; tecnologia X tradição. Os mais jovens ávidos por usarem seus multifuncionais Smartphones e entre um Twitter e outro querem pedir um Uber.

No entanto, é lógico que junto ao ímpeto por usar o celular está também o preço que parece bem mais em conta do que o serviço tradicional, nesse sentido não cabe discutir que: “Não há como parar a tecnologia, que os serviços tecnológicos quando chegam tomam de assalto o que era dos serviços tradicionais”. Olhei um famoso twiteiro maranhense comparando o uso do UBER ao dos caixas eletrônicos que: “Não cabia largar de instalar caixas eletrônicos só para contratar mais caixas humanos para os bancos”.

Bem, esse debate não faço pois ele é até certo ponto tolo e inocente. Ninguém para a tecnologia e isso é um fato temos que buscar a adaptação apenas e tão somente.

Mas algo que está no debate do UBER, e o que me parece mais importante de ser debatido, é exatamente saber o que é o UBER.

O poder estatal Brasileiro logo, logo, legislara sobre o sistema e nesse sentido não haverá uma legislação apenas para o UBER, haverá uma legislação mais ampla e o UBER é uma forma de flexibilização das relações de trabalho.

Trata-se de um novo passo nas terceirizações, que, entretanto, ao mesmo tempo que se complementa também pode concorrer com o modelo anterior das redes de subcontratações compostas pelos mais diversos tipos de empresas. A uberização consolida a passagem do estatuto de trabalhador para o de um nanoempresário-de-si permanentemente disponível ao trabalho; retira-lhe garantias mínimas ao mesmo tempo que mantém sua subordinação; ainda, se apropria, de modo administrado e produtivo, de uma perda de formas publicamente estabelecidas e reguladas do trabalho.

Contudo, essa apropriação e subordinação podem operar sob novas lógicas. Podemos entender a uberização como um futuro possível para empresas em geral, que se tornam responsáveis por prover a infraestrutura para que seus “parceiros” executem seu trabalho; não é difícil imaginar que hospitais, universidades, empresas dos mais diversos ramos adotem esse modelo, utilizando-se do trabalho de seus “colaboradores just-in-time” de acordo com sua necessidade.

Bom vê o debate acerca destas flexibilizações sem alguns ranços tidos como de esquerda que sequer aceita debater estes temas, pois para eles a CLT deve ser sacralizada e não pode em hipótese alguma ser mexida.

Enfim, foi bom ver, pelo menos em São Luís, todos aceitando a flexibilização que implica o UBER e achando isso algo muito bom.


Caso realmente esteja pensando em voos mais altos no pleito do ano que vem, o deputado precisa é ter a exata noção da importância de garantir um bom partido, o que ele já tem; um forte grupo político, que está em gestação; e definir o seu campo político.

O deputado estadual Wellington do Curso (PP) ainda não fala abertamente sobre o assunto, mas em conversas de bastidores tem dito que não descarta ser candidato a um cargo majoritário em 2018. A princípio ao Senado Federal.

Dono de um capital político e eleitoral considerável desde que disputou a sua primeira eleição majoritária, no caso para prefeito de São  Luis em 2016, quando obteve mais de 100 mil votos, Wellington reúne algumas características pessoais e políticas que contribuem para um eventual projeto rumo ao Senado. Vejamos.

Wellington do Curso é um parlamentar no sentido etimológico do termo, ou seja, aquele que é dado a “falar”, “dialogar”.

Trata-se de um deputado atuante, provavelmente o mais assíduo e pontual da Assembleia Legislativa do Maranhão, que vive o processo legislativo intensamente apresentando propostas, projetos, indicações, promovendo importantes audiências públicas, além de fazer pronunciamentos relevantes de interesse da cidadania maranhense.

Outra característica marcante de Wellington do Curso é ser próximo do povo. Não precisa fazer maiores esforços para estar presente no seio da população e com ela se misturar. É sempre a mesma pessoa seja almoçando no restaurante Cabana do Sol da Avenida Litorânea, seja na base da Dona Chica, ali na Ceasa.

O que o deputado precisa, porém, caso realmente esteja pensando em voos mais altos no pleito do ano que vem, é ter a exata noção da importância de garantir um bom partido, o que ele já tem; um forte grupo, que está em gestação; e definir o seu campo político, pois não pode ficar o tempo inteiro com esse “mimimi” de ainda não ter sido recebido pelo governador Flávio Dino. Aliás, só falta Wellington resolver pegar um “chá de árvore”, em frente ao Palácio dos Leões, como ocorreu com o seu colega, o também deputado Fábio Braga. Deu certo? Deu! Mas pegou mal pra cacete!

Enfim, não tenho dúvida de que o deputado Wellington do Curso pode ser um bom candidato a senador.

Ah! Ele é ficha limpíssima e não precisa passar por nenhum processo de “higienização” de imagem como uns e outros aí…


Os foliões maranhenses têm uma excelente opção para brincar o carnaval 2017: a bela Vitória do Mearim.

Localizada na Região da Baixada Maranhense, à margem esquerda do rio Mearim, a cidade é cortada pela BR 222, em entroncamento com a MA 014 e pela estrada de ferro Carajás e está situada pouco mais de 170 km da capital, São Luís, numa viagem por terra que dura a cerca de 3h.

Vitória do Mearim possui uma boa estrutura para receber os brincantes, com hotéis, pousadas, boa frota de táxis, mototáxis etc. Possui ainda 3 agências bancárias: Bradesco, Banco da Amazônia e Banco do Brasil.

Se você está planejamento passar o carnaval no interior do estado, com alegria, animação e principalmente com segurança, então venha para Vitória do Mearim você também!

Confira a programação oficial do carnaval do 2017.

Imagem de Amostra do You Tube

SÁBADO
13:00h as 15 : 00h — MENINOS E BANDA
15:30h as 17 : 30h — MIX BRASIL
18:00h as 20 : 00h — EMBALAÊ

20 :00h as 22:00h –INTERVALO

22 :00h as 00 :00h –CARNAVELOZ
00 :30h as 02 :30h –ESFREGUE E DANCY

DOMINGO
13 :00h as 15:00h –MENINOS E BANDA
15 :30h as 17:30h –EMBALAÊ
18 :00h as 20:00h –VAGABUNDOS DO JEGUE

20 : 00h as 22:00h– INTERVALO

22: 00 h às 00:00h –BRUNO SHINODA
00:30 h às 02: 30h–CHICAÊ DA BAHIA

SEGUNDA
13: 00h às 15:00h –BANDALHERA
15: 30h as 17:30h –EMBALAÊ
18: 00h as 20:00h –BICHO TERRA

20:00h as 22:00h — INTERVALO

22:00h as 00:00h –FAUZI BEYDOUN DA TRIBO DE JAH E BANDA
00:30h as 02:30h — MICHAEL WESLEY

TERÇA FEIRA
13:00h as 15:00h –MENINOS E BANDA
15:30h as 17:30h–EMBALAÊ
18:00h as 20:00h–MIX BRASIL

20:00 as 21:30 — MICHAEL WESLEY

22:00h as 00:00h –GARGAMEL E BANDA
00:30h as 02:30h –PP JÚNIOR E BANDA


Com a implantação do projeto, população da cidade pode acessar a internet de forma gratuita e com qualidade

Com menos de 60 dias de administração, o prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo (PCdoB), já tem cumprido uma série de promessas de campanha.

Nessa segunda-feira 20, mais uma foi colocada em prática.

A Prefeitura de Santa Rita colocou em atividade as chamadas Ilhas de Internet, na praça no entorno do Palácio João Evangelista, sede administrativa municipal e no povoado de Carema. Agora, com a implantação do projeto, a população da cidade pode acessar a internet de forma gratuita e com qualidade.

As próximas Ilhas de Internet vão ser instaladas nos bairros Céu Azul e Eucalipto, o que deve ocorrer nos próximos 30 dias.

De acordo com Hilton Gonçalo, ele apresentou 65 propostas para o seu governo e muitas já vêm sendo cumpridas. “Esta é a proposta de número 30 e aos poucos vamos trazendo a alegria de volta ao nosso povo. Ofertar internet é garantir acessibilidade digital e acompanhar a dinâmica do mundo atual”, declarou o prefeito.

Para ter acesso ao wifi gratuito da Prefeitura de Santa Rita, um login e senha acessível está sendo divulgado para toda população. Basta digitar a palavra “santarita”, tanto para usuário como para chave de acesso.


Em favor da população

A presença dos prefeitos em Brasília foi em massa e foram recebidos pela bancada maranhense e pelo presidente da Câmara Federal Rodrigo Maia que se declarou a favor da causa maranhense. O Ministro da Saúde também recebeu a FAMEM.

Por José Reinaldo

Na quarta-feira da semana passada, 90 prefeitos estiveram na Câmara Federal convocados pela FAMEM, para se juntarem à bancada federal na luta para corrigir uma injustiça na área da saúde que traz enormes prejuízos à população maranhense, muito dependente da assistência pública de saúde. Trata-se de recursos do SUS distribuídos aos estados denominados de “per capta”, mas que de per capta não tem nada e tem é tirado dinheiro devido ao Maranhão para dar a outros estados.

Ora, o termo se torna esquisito porque na prática cada Estado tem um “per capta” diferente dos outros, ou seja os brasileiros não são iguais para receber assistência à saúde. Não dar para entender os critérios usados pelo Ministério da Saúde que levam a essas terríveis distorções e que na verdade não começaram agora, neste governo, pois já vem de muito tempo, não é coisa criada agora.

Mas, por que o Maranhão tem o terceiro menor “per capta” do país? Porque será? Será que acreditam que os maranhenses são mais saudáveis do que os brasileiros de outros estados e assim julga o ministério que poucos recursos bastam para manter a saúde dos maranhenses? Ou será que acham que os maranhenses aceitam tudo sem reclamar e abaixam a cabeça conformados e aceitam tudo? A FAMEM não pensa assim, como também não pensam assim os deputados, e resolveu partir para a luta. Uma luta que já foi tentada, sem êxito pela bancada, que nunca antes teve ao seu lado os prefeitos nessa luta e por isso a correção conseguida foi muito pequena e não resolveu o problema. Nem chegou perto.

Na verdade, agora, a causa mudou de patamar. Agora virou uma causa política do Maranhão, de todos, já que com a adesão dos prefeitos, toda a população do estado está representada na luta que passa a ser de todos nós.
Mas vamos entender melhor o problema que mobiliza a classe política: procurando no SISMACMS-base de dados do ministério da Saúde- nós encontraremos todos esses dados que são oficiais. A Região Norte tem um per capta de 159,95 reais. A Região Nordeste tem um per capta de 193,31 reais. A do Centro Oeste tem o valor per capta de 186,70 reais. A do Sudeste tem um per capta de 194,83 reais. A do Sul tem um per capta de 220,05 e a média brasileira é de 194,42 reais. Esses são dados de 2015. Por aí vemos que cada região tem um per capta. Coisa difícil de entender.
Mas vamos lá. A do Maranhão era de 156,00, menor 37,31 reais do que a média da região onde se insere. Por que? Ninguém sabe.

O Maranhão tem a décima população do Brasil, quase 7 milhões de habitantes. Alagoas tem 3.340.932 habitantes mas, sua per capta é de 224,95, a maior da região. Por que? Só perde para o Piauí que tem população ainda menor que Alagoas, mas tem uma per capta de 227,64 a maior da região. Isso porque no final do governo Dilma o piauiense Marcelo Castro assumiu o ministério da Saúde e elevou o per capta do seu estado para o maior valor da região, mostrando que essa distribuição per capta não tem critério nenhum a lhe balizar os valores e politicamente, resolveu o problema do seu estado, no que fez muito bem, mas também mostrou a falta de critério dessa distribuição. Só isso mostra que a FAMEM está certíssima em pautar o assunto.

Sabe quanto o Maranhão perdeu em relação a média do país, só nesse ano de 2015? 265 milhões de reais!

Nos tungaram na verdade.

Quando os deputados maranhenses questionam o Ministério da Saúde responde que é porque é uma questão de produção da alta e média complexidade e que o Maranhão apresentava resultados abaixo dos outros estados. Consultando, como fez a FAMEM os diversos bancos de dados do ministério, como o SIHDQ/S.I.A/SUS e o DATASUS/RJ e o SISMAC/MS vemos que a bagunça é completa. Vejamos: o Acre tem uma produção Hospitalar e Ambulatorial que só chega a 46,15% do Teto e mesmo assim tem o maior “per capta” do país com 241,02 reais. O Maranhão tem a oitava maior produção do país com 71,60% do teto e uma “per capta” de 137,54 reais nesse item. Não dá para entender, definitivamente nada!

Hoje depois da ligeira melhora conseguida pela luta de alguns deputados o Maranhão está entre os que menos recebem recursos da União para custeio das ações de média e alta complexidade, só superior aos estados do Pará e do Amazonas. Isso ocasiona um desequilíbrio financeiro que reflete no aumento dos índices de mortalidade pela limitação da assistência. O maranhense recebe 38,42 reais a menos que a média dos outros estados, isso equivale a 265 milhões de reais a menos para a saúde por ano.

Esse é o problema que a FAMEM, lutando pelos legítimos interesses do estado e dos municípios levantou para discussão. A presença dos prefeitos em Brasília foi em massa e foram recebidos pela bancada maranhense e pelo presidente da Câmara Federal Rodrigo Maia que se declarou a favor da causa maranhense. O Ministro da Saúde também recebeu a FAMEM.

Eu desde o primeiro momento estou incorporado à causa. Vou tratar do assunto com o ministro Imbassahy da Secretaria de Governo, deputado federal da Bahia, nosso amigo, e depois com o presidente Temer. Iremos fundo nessa luta.
E a refinaria? Vai muito bem. Agora entrou na definição técnica de todo o projeto e as empresas indianas estão dando a configuração final do empreendimento. Será um projeto de grande porte que mudará o Maranhão.


A deputada Andrea Murad encaminhou ofício para a Procuradoria Geral de Justiça para que investigue denúncia repercutida pela imprensa sobre o pagamento de plantões médicos mas que não foram realizados. O caso teria acontecido no Hospital Regional de Morros administrado pela EMSERH. A imprensa divulgou o diálogo com um médico e a diretora da unidade, que confirma o pagamento de plantões que não existiram.

“Eu venho recebendo constantes denúncias de pagamentos por plantões não realizados. Tudo que eles achavam que iam encontrar na Sermão aos Peixes e não encontraram, é o que eles estão fazendo agora. Deram com os burros n’água. E estão fazendo agora, deputado Rogério, lutaram para encontrar na Sermão aos Peixes, que era isso que eles queriam encontrar. Isso não existia, mas agora existe. Então várias pessoas já tinham me denunciado isso. E vendo o blog do Caio, a diretora do Hospital Regional de Morros, Ana Gabriela Carvalho, mensalmente vem informando o número de plantões superiores. E esses valores pagos pelos plantões não realizados os médicos são obrigados a repassar à direção do hospital. Está lá no blog a conversa de WhatsApp entre a diretora e um médico, que já está circulando em todos os grupos da área médica. E a Diretoria ainda enfatiza na conversa o seguinte, preste bem atenção: não combine uma coisa e depois faça outra. Foram colocados para você 17 plantões quando você só deu 15 e você mesmo falou em antecipar e assim nos programamos’”, discursou.

Para a deputada Andrea, a EMSERH está demonstrando total falta de gestão na saúde pública do estado, seja no gerenciamento dos hospitais, seja na compra dos medicamentos. Ela também chamou a atenção do Secretário Carlos Lula para as práticas que vem ocorrendo a través da empresa pública.

“A EMSERH foi criada pelo meu pai, então secretário na época, e não foi criada com esse objetivo, não foi criada para tramoias, falcatruas, não foi criada para superfaturar medicamentos, não foi criada para pagar por plantões não dados, entre tantas outras coisas que estamos assistindo. Ela foi criada para gerenciar toda a rede de forma que até as falhas mais difíceis de acontecer, acontecessem. E na hora a EMSERH se transforma nisso. Eu estou tentando acreditar que ele [Secretário Carlos Lula] não sabe o que acontece. Prefiro acreditar que ele não tenha controle do que ele seja conivente. Um técnico desta casa que não devia nem sujar o seu nome estando nessa indecência que se transformou essa Secretaria, onde acabaram a saúde de qualidade que era oferecida aos maranhenses”, criticou Andrea Murad.