Estive na bela, charmosa e histórica cidade de Caxias, palco da Balaiada, localizada ali pra bandas do Leste maranhense, na chamada Região do Cocais.

Fui a convite do senador Roberto Rocha e passamos dois dias na “Princesa do Sertão”. Aliás, sempre me chamou a atenção o fato desse epíteto de “Princesa do Sertão” já que a cidade, de fato, não é sertaneja.

Foi quando o amigo e blogueiro Ludwig Almeida explicou-me: “Foi na Igreja de São Benedito que, em 1858, o antístite [bispo] da Igreja Maranhense, Dom Manoel Joaquim da Silveira, denominou Caxias com o título de ‘Princesa do Sertão Maranhense’, embora tenha sido errado porque Caixas não fica no Sertão”. Grande abraço, amigo Lud, e valeu pela acolhida na controversa “Princesa do Sertão”. 🙂

Caxias está bem organizada, limpa, praças bem cuidadas, enfim, está cada vez mais bonita.

Claro que a beleza discreta, e até romântica, da cidade não é herança exclusiva de um só prefeito, mas de vários gestores. Há marcas saudáveis tanto da era dos Marinho quanto dos Coutinho, o que mostra o quão é saudável a alternância de poder onde as forças políticas divergentes concorrem entre si para ver quem faz mais e melhor pelo município. Ao final, é o povo que soberanamente faz o julgamento, como fez em 2016 quando resolveu, mais uma vez, mudar de grupo político elegendo o jovem Fábio Gentil, que, diga-se de passagem, mostra-se com muita vontade de trabalhar pelo município.

Tenho boas lembranças de Caxias dos tempos de movimento estudantil da Uema, principalmente quando da realização de um CEUEMA (Congresso de Estudantes da Uema) realizado no campus do Morro do Alecrim – de onde se tem uma vista panorâmica da cidade de tirar o fôlego de moradores e, claro, dos visitantes. E por falar em CEUEMA, tive a grata a satisfação de reencontrar com meu amigo e companheiro de velhas e históricas lutas, o “radical” – no sentido de ir á raiz do problema – o bravo Agostinho Neto, hoje o ilustre presidente regional da OAB em Caxias. Valeu, Agostinho!

A passagem pelas terras gonçalvinas me fez ficar ainda mais convicto de que, ao contrário do que pode parecer, a política pode unir o Maranhão e não dividi-lo como ocorre atualmente. Falo da Política com “P” maiúsculo, não aquela tacanha, pequena, rasteira…

Respeitadas as diferenças de cada grupo político da cidade, o que fica é certeza de que Caxias, por exemplo, é maior do que coragem e liderança de um Paulo Marinho; do que a experiência e força de um Humberto Coutinho; da cultura e inteligência de um Edson Vidigal e por aí vai. Transportando essas assertivas para o plano estadual, temos que o Maranhão é muito maior do que o Sarney, Flávio Dino, Roseana, Lobão, Roberto Rocha etc.

Em Caxias vi o nascer de uma geração de novos políticos na expressão tímida, mas ao mesmo tempo firme, do jovem Paulo Marinho Júnior, o Paulinho. Uma liderança promissora, de perfil carismático, excelente formação acadêmica, postura política qualificada, cujo pai, o ex-deputado e ex-prefeito Paulo Marinho definiu bem a personalidade do seu filho é: “Alguém que puxou todas as minhas qualidades e nenhum dos meus defeitos”.

Isso sem falar no prefeito Fábio Gente, no advogado Catulé Júnior e mesmo no ex-prefeito Leo Coutinho, lideranças de uma nova geração de políticos que aflora no Maranhão.

Enfim, o que fica da Caxias que eu vi, além de uma cidade muito bonita, de gente alegre, inteligente, acolhedora e da deliciosa galinha caipira com pirão de parida da Veneza, área pública de rara beleza, é a grandiosidade do povo maranhense sintetizada no semblante dos caxienses.

Fica também a certeza de como esse estado pode ser unido em torno não de projetos de poder simplesmente, mas de um projeto de vida para os cidadãos e cidadãs deste rico estado de povo empobrecido.

Valeu, Caxias!

Valeu, Maranhão!802

PS: Este post não ficaria completo se não fizesse a devida referência aos companheiros Mundico Teixeira e Ney Jefferson, pai e filho, bravos lutadores do Partido dos Trabalhadores em Caxias, com os quais tive a alegre satisfação de encontrá-los na cidade. Valeu!

4 comentários em “A Caxias que eu vi

  • Valeu Bob Show! Faltou dizer apenas que tudo isso foi observado na garupa de uma moto guiada por um blogueiro caxiense-timonense. …rsrs

  • Primor de texto. Coeso, coerente, conseguiu passar a emoção da viagem, fora a abordagem histórica e política q foi fantástica. Tá perdoado do texto do espaço feminino.rsrs… Deu vontade de conhecer a princesa do sertão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *