FRASE DO DIA

Pretendo ser candidato ao Governo do Maranhão pelo PSB e com apoio do PSDB.

(Roberto Rocha)

6 Comentários

Por Luiza Franco, via Mundo da Psicologia

Sabe aquelas pessoas que complicam tudo, invertem as coisas e sempre acham um motivo para discordar? Pois é, elas estão por aí e às vezes precisamos conviver com elas.

Saiba que é possível chegar a um acordo até com as pessoas mais difíceis, mesmo quando os pontos de vista são totalmente diferentes, os interesses são incompatíveis e a conversa parece não fluir.

Antes de conversar com uma pessoa difícil, prepare-se e conheça-se. Fique em uma posição estável e confortável. Lembre-se de que seu corpo inteiro conversa. Comporte-se como um adulto equilibrado e seguro: fale apenas o que for importante para você e do que você tem certeza, para ter todos os argumentos que precisar. Mantenha um tom de voz baixo, seguro e constante. Nada pior do que demonstrar descontrole emocional. Não esqueça o motivo de estar nessa situação: por que está conversando com essa pessoa? Não fale mais do que o necessário, não precisa ser legal e sim educado.

Muitas vezes precisamos fazer coisas socialmente esperadas e assim conversar amigavelmente com alguém que não gostamos. Saiba que sempre há uma chance de que você seja provocado, manipulado ou entrar em uma polêmica sem perceber. Por isso esteja atento a tudo.

Se você precisar confrontar alguém e achar que pode dar em briga, pense que você está começando esse diálogo para resolver uma questão, para melhorar a relação, para manter contato saudável com essa pessoa e não para discutir e brigar. Um diálogo não é uma batalha verbal, é uma ferramenta para sincronizar diferentes pontos de vista. Ouça o que o outro pensa e tente entender o que o faz pensar assim. Até as piores pessoas têm um motivo para agir da forma que agem, elas sempre acham que é um bom motivo. Fale tudo o que precisa demonstrando que é o seu ponto de vista e não uma acusação, fale de como você se sente em relação ao fato e não acuse somente.

Não vamos agradar a todos. Algumas pessoas não vão acreditar em nós, não vão nos amar, nem nos compreender e podem até nos odiar de graça. Avalie se vale a pena querer alguma coisa com essa pessoa, muitas vezes é melhor que nos odeie e nos deixem em paz. Mas se essa pessoa vale a pena, descubra os motivos de a pessoa não acreditar ou gostar de você, busque a raiz do problema, se coloque de forma humilde, não demonstrando ameaça para que a pessoa não precise se defender.

Peça desculpas por alguma coisa que possa ter magoado a pessoa, exponha seus argumentos, abra seu coração sem medo. Se mesmo assim essa pessoa não quiser você na vida dela, aceite e siga sua vida.

Todo mundo erra, tem defeitos e se confundem de vez em quando, mas todos merecem respeito. Você não pode agir conforme o comportamento dos outros, suas ações devem depender dos seus valores e do seu caráter. Vai chegar um dia em que você também agirá de forma errada.

Cada um tem um dicionário próprio de acordo com as próprias experiências. Nós entendemos tudo o que escutamos de acordo com nossas experiências, tudo passa por um tradutor próprio, as frases, as ações e até as não ações dos outros, tudo será traduzido para a nossa linguagem própria. E quanto mais uma pessoa sofreu, mais errada pode ser a interpretação dela, pois o dicionário dela se chama medo, e tudo o que ela quer é se proteger. As pessoas mais difíceis são as mais frágeis. É melhor você expor seus sentimentos, pensamentos e dúvidas de forma bem clara em vez de supor que o outro entenderá indiretas.

Quando precisar conviver e conversar com pessoas agressivas, você não pode levar tudo para o lado pessoal. Precisa saber se retirar da discussão a tempo. Essas pessoas estão tão acostumadas ao sofrimento, a serem atacadas, que a primeira reação delas é atacar. Elas vão procurar os seus pontos mais vulneráveis baseados nos dela, por isso nem sempre vão acertar, mas vão tentar, por isso é bom você saber bem quais são seus pontos fracos e se proteger. Esse tipo de pessoa suga energia, pois a energia delas é bem baixa. Se puder, afaste-se de gente assim.

Se uma conversa sair do controle, simplesmente fale: “voltamos a conversar quando você estiver mais controlada”.


A Feirinha de São Luis parece que veio para ficar. É sucesso de público e, por conseguinte, de bons negócios para os feirantes.

O Blog do Robert Lobato esteve visitando, ontem, a Feirinha São Luís, ali no Centro da cidade, mas precisamente na Praça Benedito Leite, uma das mais tradicionais praças da capital maranhense.

Realizada pela prefeitura através da Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento (Semapa), a feirinha, como é popularmente chamada, é um espaço de vivência e convivência sociais onde pessoas de diferentes classes interagem de forma democrática e respeitosa.

Ivaldo Rodrigues: Secretário animado com o sucesso da Feirinha de São Luis.

Coordenada pelo secretário Ivaldo Rodrigues, atual comandante da Samapa, a feirinha funciona como uma espécie de vitrine para os produtos agrícolas cultivados na Ilha de São Luís. O espaço, que também contempla artesanato, artes plásticas, gastronomia, literatura e apresentações culturais, conta com a parceria do Governo do Estado, conforme informa o site da prefeitura.

Gente alegre, bonita, animada é o que mais chama atenção na feirinha. Claro, a multiplicidade da ações, as comidas típicas, artes, artesanato e a nossa cultura popular também dão aquele chame, digamos, a nossa mais bela e pura maranhensidade.

Talvez por ser um vereador experiente com vários mandatos, Ivaldo Rodrigues consegue fazer um ótimo trabalho da popular como é a Feirinha São Luís, ou seja, Ivaldo entende de gente, de povo, daí o sucesso que é esse projeto.

É verdade que o apoio do prefeito Edivaldo tem sido fundamental para o bom resultado que a feirinha vem obtendo. Aliás, o gestor da cidade é sempre presença garantida nos domingos que acontecem o evento.

Para o secretário Ivaldo Rodrigues, “esse projeto tem sido um sucesso porque é feito pelo próprio povo, por pessoas da cidade, pelos feirantes, pequenos produtores, microempresários, médios empreendedores e pela excelente equipe da Semapa, além, claro, do apoio que temos tido do prefeito Edivaldo e da parceria com o Governo do Estado”.

“Mas, Bob, o que adianta fazer uma feirinha dessa, montar barracas, bater fotos, saborear pratos típicos, apreciar a arte e cultura populares e as outras feiras da cidade não estarem bem cuidadas?”, podem questionar os críticos da Feirinha de São Luis.

Bom, uma coisa não inviabiliza a outra. A realização da feirinha é uma ação paralela à outras mais estruturantes com as reformas e reestruturações das feiras tradicionais da cidade. Aliás, perguntei ao secretário Ivaldo Rodrigues sobre a situação das feiras de alguns bairros da cidade e o mesmo garantiu que muitas coisas estão sendo feitas para garantir bons e melhores serviços aos consumidores ludovicenses.

O fato é que Feirinha de São Luis parece que veio para ficar. É sucesso de público e, por conseguinte, de bons negócios para os feirantes.

Confesso que gostei do que vi.

Parabéns à Prefeitura de São Luis, ao prefeito Edivaldo e para o secretário Ivaldo Rodrigues.


Eu considero uma armação. Não tem nada que possa justificar o pedido de cassação de um senador com o que me foi apresentado, com recorte de jornal e revista.

(João Alberto ao justificar o arquivamento do pedido de cassação do senador Aécio Neves)


O senador Roberto Rocha (PSB-MA) recebeu nesta quarta-feira (21) o governador do Piauí, Wellington Dias, para discutir planos e ações que visam estimular a atividade turística no trecho conhecido como Rota das Emoções, que é um complexo que começa em Barreirinhas (MA), atravessa os Lençóis Maranhenses (MA), o Delta do Parnaíba (PI) até Jericoacoara (CE), envolvendo no total 14 municípios.

Presidente da Frente Parlamentar da Rota das Emoções, o senador Roberto Rocha lembrou que um dos maiores problemas para melhorar o fluxo de turistas é a falta de investimentos, especialmente, em infraestrutura, como estradas, portos, aeroportos, além de melhorias nos acessos até os destinos turísticos.

“O Maranhão, o Piauí e o Ceará possuem riquezas culturais e costumes de um povo belo e acolhedor em uma das regiões mais paradisíacas do mundo. No entanto, a falta de uma infraestrutura adequada, de logística e de acesso aos destinos dificultam muito a exploração de toda essa riqueza natural. O resultado é a queda na atração de turistas nacionais e estrangeiros, além de prejudicar a geração de novos empregos, aumento da renda e oportunidades aos moradores e trabalhadores dessas localidades turísticas”, disse Roberto Rocha.

Na mesma linha de raciocínio, o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), afirmou que a Rota das Emoções representa um pilar importante no desenvolvimento do litoral nordestino.

“É um projeto estratégico que está em andamento e acredito que a Frente Parlamentar, composta pelos senadores dos três estados, tem força para atrair investimentos públicos e capital privado para serem alocados em infraestrutura e criação de empregos às pessoas dessas regiões”, ressaltou o governador.

BUSCA DE RECUROS
Nos próximos dias, uma audiência deverá ser realizada entre os ministros da Fazenda e do Turismo com a Frente Parlamentar para buscar recursos orçamentários e soluções para aprimorar o turismo na faixa litorânea dos três estados. “A Rota das Emoções possui um potencial turístico enorme e é um dos pedaços de chão mais belos que já vi. Precisamos apresentar as nossas riquezas, sobretudo, aos turistas estrangeiros para que voltem outras vezes. Mas, para isso, é preciso que a Rota das Emoções seja prioridade e isso é que vamos buscar”, disse Roberto Rocha.

ROTA DAS EMOÇÕES PARA O MUNDO

Recentemente, ao representar o Senado Federal em uma missão oficial por sete dias, o senador Roberto Rocha conversou com autoridades da Suécia, França e Espanha e apresentou todo o potencial turístico da faixa litorânea dos três estados, especialmente o Maranhão. Em Estocolmo, capital da Suécia, Roberto Rocha conseguiu que seja viabilizado um stand exclusivo do Maranhão, durante o evento Brazilian Day Estocolmo, que será realizado no início de agosto. O objetivo do senador é apresentar e divulgar o Estado para o mundo.

“É uma iniciativa que tive de revelar aos europeus toda a nossa cultura, através da música maranhense, o Bumba meu boi, a culinária, o artesanato, além das belezas e encantos turísticos naturais que o Maranhão possui. A nossa iniciativa serviu de inspiração ao governador Wellington Dias e espero que essa nossa parceria dê bons frutos e resultados aos nossos estados”, encerrou Roberto Rocha.


“As distribuidoras do Grupo CPFL Energia têm dado especial destaque ao tema do consumo de eletricidade, conscientizando a população para que utilize esse recurso de forma adequada e racional. Para isso, utiliza o Programa de Eficiência Energética, que investiu mais de R$ 98 milhões em projetos no ano de 2016.”

por Felipe Henrique Zaia, gerente de Eficiência Energética da CPFL Energia

Estamos chegando a mais um período de inverno e o frio já anuncia que, neste ano, a estação poderá ser mais rigorosa. Com a temperatura mais baixa, as pessoas começam a tomar banhos mais quentes, além de ligar os aquecedores. Dias e mais curtos e com pouca incidência da luz solar fazem também com que máquinas de secar roupa e ferros elétricos sejam acionados um maior número de vezes e por mais tempo.

Essas ações podem aumentar o consumo de energia elétrica, elevando o valor dos gastos e impactando o orçamento doméstico – ainda mais em um período de bandeira vermelha instituída pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). A cor da bandeira, informada na conta de luz, indica o custo de energia, em função das condições de geração. Ou seja: quando chove menos, os reservatórios das hidrelétricas ficam mais vazios e é preciso acionar mais termelétricas para garantir o suprimento de energia no País. Atualmente, o custo adicional por bandeira vermelha é de R$3 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos.

Para mudar esse círculo vicioso é necessário pensar em uma mudança nos hábitos de consumo. É possível gastar menos energia ou manter um nível de consumo que não pese no bolso. Seguindo algumas regras básicas, é possível que o consumidor não seja surpreendido por uma conta de luz muito alta. Uma das primeiras medidas é o cuidado no banho.

No que diz respeito ao consumo de energia elétrica, o chuveiro é responsável por 25% a 35% dos gastos na conta de luz. Ao utilizá-lo no modo ‘inverno’, o acréscimo no consumo é de cerca de 30% em relação ao modo ‘verão’. Então, tomar banho quando a temperatura não é tão baixa pode ser uma boa forma de economizar energia elétrica.

Eletrodomésticos: mocinhos ou vilões?
Nesta época de outono-inverno, a temperatura mais fria e a menor incidência da luz solar fazem com que também aumente o uso das secadoras, e do ferro elétrico. Uma secadora consome entre 120 a 150 kWh por mês, quando utilizada apenas uma vez por dia. De todos os eletrodomésticos, o ferro elétrico é o maior vilão, quando ligado a todo o momento, pois ele transforma energia em calor. O ideal é acumular a roupa no momento de lavar, secar ou passar, executando a tarefa de uma única vez.

Outro aparelho muito utilizado no frio é o aquecedor elétrico. O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) avaliou aparelhos (irradiador, gabinete, a óleo e split) de nove marcas diferentes, sendo 21 modelos no total, e concluiu que, embora os preços sejam acessíveis, eles consomem muita energia. Segundo a pesquisa do Idec, um aquecedor ligado por oito horas ao dia, durante duas semanas, pode gerar um impacto entre R$ 50 e R$ 95 mensais na conta de energia, dependendo do modelo.

Por ficarem ligadas durante o dia todo, as geladeiras são responsáveis por boa parte dos gastos com energia em uma residência. Por isso, evite abrir e fechar o eletrodoméstico desnecessariamente e não deixe o aparelho próximo a equipamentos que produzam calor, como o fogão e o micro-ondas. Também é importante não deixar acumular gelo e só ligar o freezer em ocasiões especiais, como festas ou churrascos.

Durante o inverno, também é possível reduzir as temperaturas, tanto da geladeira como do freezer. Afinal, com o frio externo, eles não precisam gerar tanto gelo. Outra forma de gastar menos energia é comprar aparelhos elétricos identificados com o selo do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel). Produtos que apresentem notas A ou B possuem mais eficiência energética, ou seja, consomem menos energia que as que indicam notas D ou E.

As distribuidoras do Grupo CPFL Energia têm dado especial destaque ao tema do consumo de eletricidade, conscientizando a população para que utilize esse recurso de forma adequada e racional. Para isso, utiliza o Programa de Eficiência Energética, que investiu mais de R$ 98 milhões em projetos no ano de 2016. Mais de 77 mil clientes, com baixo poder aquisitivo foram beneficiados, com instalação de equipamentos mais eficientes, como chuveiros, lâmpadas, geladeiras e aquecedores solares. Recursos também foram aplicados em equipamentos para reduzir o consumo de indústrias, clientes comerciais, prédios públicos e empresas de serviço público.

A conscientização das empresas e da população para o consumo mais adequado da energia tem crescido muito ultimamente. Medidas que remetem a uma prática mais consciente no uso deste recurso também geram economia imediata na conta de luz. Os benefícios alcançados ultrapassam a questão econômica, passando a ser uma contribuição para a ”saúde” de todo o planeta. Somente respeitando as limitações de recursos, sem abrir mão do conforto, da qualidade de vida e do desenvolvimento socioeconômico é que se pode conseguir uma vida melhor.

—-

Sobre a CPFL Energia
A CPFL Energia, há 104 anos no setor elétrico, atua nos segmentos de distribuição, geração, comercialização e serviços. Desde janeiro de 2017, o Grupo faz parte da State Grid, estatal chinesa que é a segunda maior organização empresarial do mundo e a maior companhia de energia elétrica, atendendo 88% do território chinês e com operações na Itália, Austrália, Portugal, Filipinas e Hong Kong.

Com 14,3% de participação, a CPFL Energia é líder no mercado de distribuição, totalizando mais de 9,1 milhões de clientes em 679 cidades, entre os estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Paraná. Na comercialização, é uma das líderes no mercado livre, com participação de mercado de 14,1% na venda para consumidores finais. É líder na comercialização de energia incentivada para clientes livres entre as comercializadoras.

Na geração, é a terceira maior agente privada do País, com um portfólio baseado em fontes limpas e renováveis, como grandes hidrelétricas, usinas eólicas, térmicas a biomassa, Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH) e usina solar. Considerando a participação acionária na CPFL Renováveis, maior empresa de geração da América Latina a partir de fontes alternativas de energia, a capacidade instalada do Grupo CPFL alcançou 3.258 MW, no final do primeiro trimestre de 2017.

A CPFL Energia possui ações listadas no Novo Mercado da BM&FBovespa e ADR Nível III na NYSE, além de participar do Índice Dow Jones Sustainability Index Emerging Markets. Pelo 12º. ano consecutivo, as ações da companhia integram a carteira do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da BM&FBovespa. O Grupo também ocupa posição de destaque em arte e cultura, entre os maiores investidores brasileiros, por meio do Instituto CPFL.


É de cortar o coração saber que tenho amigos, gente de bem, achar que aquele adolescente recebeu o tratamento merecido por ser “bandido”, “vagabundo”, “ladrão” etc.

O tatuador Maycon Reis e o vizinho Ronildo Moreira foram presos por torturar adolescente em São Bernardo do Campo (Foto: Divulgação/Polícia civil).

“Olho por olho e o mundo acabará cego”
(Gandhi)

Procuro não entender as reais motivações que levaram dois “sei lá o quê”, a tatuarem “Sou ladrão e vacilão” na testa de um jovem suspeito de furtar uma bicicleta. O que procuro entender é como pode ser possível algumas pessoas, aliás, muitas, infelizmente, a apoiarem tamanha brutalidade.

Ao ver pessoas de bem achar que o jovem “teve o que mereceu” mostra o quanto a nossa sociedade está doente. Os agressores não só tatuaram a testa do garoto, que é dependente químico, mas o fizeram com requintes de crueldade para depois compartilhar a barbárie na internet.

Não é normal o que esses caras fizeram e menos normal ainda é concordar com tal procedimento que não condiz com estágio civilizatório na qual humanidade se encontra.

Dizer que as pessoas estão autorizadas a fazer coisa desse tipo porque não acreditam na Justiça ou nas autoridades policiais é de uma boçalidade só comparada a desses próprios monstros travestidos de tatuadores.

É de cortar o coração saber que tenho amigos, gente de bem, achar que aquele adolescente recebeu o tratamento merecido por ser “bandido”, “vagabundo”, “ladrão” etc.

Era para ser uma reação exatamente ao contrário: a famigerada tatuagem “Sou ladrão e vacilão” deveria envergonhar todo ser humano de bem.

Ainda não perdi a esperança na humanidade…


O Projeto de Lei 071/2017, de autoria do deputado Wellington do Curso (PP) foi aprovado em todas as comissões da Assembleia Legislativa do Maranhão. O Cartão Acessibilidade tem como objetivo simplificar o acesso da pessoa com deficiência aos serviços públicos estaduais existentes.

“Com o Cartão Acessibilidade, a pessoa com deficiência e mobilidade reduzida, titular do cartão, poderá se identificar facilmente em todos os serviços públicos, estando a presente Lei em total sintonia com o recém-sancionado Estatuto da Pessoa com Deficiência (Lei Federal n. 13.146, de 06 de julho de 2015). É uma forma de defender os direitos das pessoas com deficiência. Assim, é necessário que o Governo do Estado analise atenciosamente esta questão, uma vez que, estaremos contribuindo para a melhoria das condições de vida das pessoas com deficiência”, pontuou Wellington.

ENTENDA O PROJETO:
O Cartão Acessibilidade tem por objetivo simplificar o acesso da pessoa com deficiência aos serviços públicos estaduais existentes, incluindo informações e permitindo a unificação dos demais serviços, a exemplo do cartão de passe livre e acesso intermunicipal em um só. Sendo assim, o Cartão será instrumento comprobatório da condição de deficiência do seu titular.
Para ser emitido, a pessoa com deficiência deverá comparecer à Secretaria Estadual de Saúde, ou, ainda, aos Conselhos Municipais das Pessoas com Deficiências e Prefeituras Municipais e deverá estar munida dos seguintes documentos, em via original e cópia:
I – Registro Geral (RG);
II – Cadastro da Pessoa Física (CPF);
III – comprovante de endereço;
IV – laudo médico emitido por órgão público, com CID, atestando a deficiência, não devendo exceder 60 (sessenta) dias entre a data de emissão do laudo e sua apresentação para solicitação do Cartão Acessibilidade.


O estudo mostra ainda que a cidade de São José de Ribamar está entre as mais violentas do país.

Péssima notícia para os maranhenses.

Estudo realizado pelo Ipea e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública revela um aumento no número de homicídios no estado do Maranhão entre os anos de 2010 e 2015.

“Houve um aumento no número de Unidades da Federação que diminuíram a taxa de homicídios depois de 2010. Especificamente nesse período, as maiores quedas ocorreram no Espírito Santo (27,6%), Paraná (23,4%) e Alagoas (21,8%). No sentido contrário, houve crescimento intenso das taxas entre 2010 e 2015 nos estados de Sergipe (77,7%), Rio Grande do Norte (75,5%), Piauí (54,0%) e Maranhão (52,8%). A pesquisa também aponta uma difusão dos homicídios para municípios do interior do país”, revela site do Ipea.

O mesmo estudo mostra ainda a cidade maranhense de São José de Ribamar entre as mais violentas do país.

O Atlas da Violência 2017 analisou dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, referentes ao intervalo de 2005 a 2015, e utilizou também informações dos registros policiais publicadas no 10º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, do FBSP. Para listar os 30 municípios potencialmente mais violentos e menos violentos do Brasil em 2015, o estudo considerou as mortes por agressão (homicídio) e as mortes violentas por causa indeterminada (MVCI).

Municípios

Altamira, no Pará, lidera a relação dos municípios mais violentos, com uma taxa de homicídio somada a MVCI de 107. Em seguida, aparecem Lauro de Freitas, na Bahia (97,7); Nossa Senhora do Socorro, em Sergipe (96,4); São José de Ribamar, no Maranhão (96,4); e Simões Filho, também na Bahia (92,3). As regiões Norte e Nordeste somam 22 municípios no ranking dos 30 mais violentos em 2015.

Para maiores ver a íntegra do Atlas da Violência 2017 clique aqui.

 


Noves fora esses bons tempos sob a ótica de “Maio Oito Meia”, a Ufma está passando por um retrocesso administrativo que vai para além do Campus do Bacanga.

Nadando contra a corrente (“só pra exercitar”) do badalado evento cultural-empresarial “Projeto Maio Oito Meia”, que aconteceu ontem, terça-feira, 30, no Centro de Criatividade Odylo Costa Filho, o Blog do Robert Lobato é provocado por estudantes da Ufma, de “Maio, Três e Quarenta de 2017”, contar um enredo muito diferentes daqueles nostálgicos anos 80 de sexo, drogas,  rock in roll, política e… Bambu.

Noves fora esses bons tempos, a Ufma está passando por um retrocesso administrativo que vai para além do Campus do Bacanga.

Para termos uma ideia do situação, o site do Senado Federal, via o link o institucional da Casa E cidadania, traz uma denúncia sob título “Criação de nova Universidade Federal (UFBAM)através do desmembramento da UFMA de Pinheiro”, que diz:

Falta de transparência, de vontade/presença/eficiência e a má gestão financeira da Universidade seriam solucionados. O Campus de Pinheiro não conta com orçamento,seu acervo bibliográfico é escasso, faltam salas de aula e laboratórios. Parte dos recursos do REUNI foram investidos na Capital.

O Blog do Robert Lobato tem recebido sistematicamente reclamações de estudantes, funcionários e professores da Ufma contra a forma que a reitora Nair Portela tem administrado a principal universidade pública do Maranhão.

Contudo, o editor desta página tem dado o devido e merecido direito para a magnifica reitora se posicionar sobre o fato de sua gestão estar sendo questionada pelos “quatros campi” da Ufma, principalmente em Pinheiro.

Enquanto a resposta da reitora não vem, fiquemos com o acalento pequeno burguês do “Maio, Oito Meia”.

“Claro”!


Se a gente aprende desde criancinha que não se bate numa mulher nem com uma flor, imagina espancar um ser sagrado como a nossa mãe…

Advogado agressor da própria mãe recebe solidariedade de médico suplente de deputado.

Em meio a indignação que tomou conta da sociedade maranhense com vídeo em que o bacharel em direito Roberto Elísio de Freitas é flagrado em uma série de agressões físicas e psicológicas contra a própria mãe, de 84 anos, o médico e suplente de deputado estadual Yglésio Moyses tentou, por meio da rede social do Facebook, fazer uma defesa, na verdade criar uma justificativa para a barbárie cometida pelo tal advogado. Veja o que disse o sujeito:

“Antes de sair feito um doido indignado com o vídeo do homem que agrediu a mãe, tente entender a situação. O homem é obeso mórbido, desempregado, tem sinais claros de doença mental ali. Uma pessoa formada em Direito que não trabalha e gerencia apenas a pequena aposentadoria da mãe não parece ser normal. Outra coisa que chama a atenção é a postura passiva da mãe, como se aquilo fosse algo que já tivesse acontecido. Pra fechar, a pessoa que está do lado filmando não demonstrou grande indignação na filmagem, nem o próprio homem não se importou com ela filmando toda a situação, como se ele não tivesse noção daquilo que estava acontecendo. Tem muito traço de doença mental, com posibilidade de estar em surto psicótico mesmo. Pode ser fingimento? Pode, mas antes de julgar, aguarde ele ser avaliado por um especialista em Psiquiatria, não por você que é especialista em vida alheia. Não entre nesse parafuso de piração de blog. Blog quer acessos. Ponto.”

A impressão que passa, a partir das palavra do doutor, é que, por algum motivo, ele entende que precisamos ter certa complacência com agressores de mulheres e pior: das próprias mães. Um verdadeiro absurdo!

Ora, se a gente aprende desde criancinha que não se bate numa mulher nem com uma flor, imagina espancar um ser sagrado como a nossa mãe!

Não sei que tipo de doença psicológica ou psiquiátrica esse senhor Roberto Elísio de Freitas possui; não entendo até que ponto o fato dele estar supostamente desempregado seria motivo para torturar a mãe deixando de ser filho para se tornar carrasco da sua genitora.

A verdade é que nada justifica as cenas humanamente degradantes mostradas nos vídeos publicados nas redes sociais e blogs. Aliás, corre um áudio na internet onde alguém, que seria vizinho do filho agressor, traça o perfil dele como sendo uma pessoa que nunca passa de um plaboy, bon vivant que sempre viveu às custas dos pais.

E falando em blogs, o doutor Yglésio Moyses ainda teve o descaramento de querer desqualificar os blogs que divulgaram os atos insanos do advogado doidão.

Ah, vai plantar batatas, Dr. Maluquinho!