FRASE DO DIA

Destruir Lula é roubar a voz dos pobres, só um povo infantil faria uma coisa dessa

(Domenico De Masi, sociólogo italiano)

Comentar

Maura Jorge acredita que tem chances reais de disputar com competitividade o pleito de 2018, e lembra que a sua candidatura é uma das prioridades nacionais do Podemos, ao lado dos senadores Romário e Alvaro Dias pré-candidato a governador do Rio de Janeiro e a presidente da República, respectivamente.

O Blog do Robert Lobato conversou com a ex-deputada e ex-prefeita Maura Jorge, do Podemos (ex-PTN) na tarde de ontem, quinta-feira, 25, no seu escritório.

A pré-candidata está pra lá de animada com o projeto “Maura Jorge governadora 19” e avisa:

“Minha candidatura ao governo é um caminho sem volta. Sei que não é uma caminhada fácil, sei das dificuldades, tenho os pés no chão. Mas também tenho muita disposição para percorrer o estado e até dezembro ter o meu nome levado para todo o estado do Maranhão”.

Sempre com astral pra cima e muito simpática, Maura Jorge acredita que tem chances reais de disputar com competitividade o pleito de 2018 e lembra que a sua candidatura é uma das prioridades nacionais do Podemos, ao lado dos senadores Romário e Alvaro Dias, pré-candidato a governador do Rio de Janeiro e a presidente da República, respectivamente.

“O nosso projeto não apenas estadual, mas é uma prioridade nacional do Podemos. A presidente Renata Abreu já nos afirmou que o partido estará de olho no Maranhão porque acredita na viabilidade da nossa candidatura”, assegura.

Grupo Sarney

Maura Jorge afirmou que não teria qualquer problema de contar com o apoio do grupo Sarney e até ser a candidata da ex-governadora Roseana caso a peemedebista resolva não disputar a eleição do ano que vem. Aliás, a pré-candidata do Podemos teve encontro recente com Roseana e o ex-presidente José Sarney em Brasília, momento em que confirmou aos dois que vai mesmo concorrer ao Palácio dos Leões.

“Não tenho problema algum de receber um eventual apoio do grupo Sarney a minha candidatura, até porque não se pode negar as nossas relações e origens. Mas não estou preocupada agora com isso até porque não sei se a Roseana será ou não candidata, Minha preocupação agora, como disse, é levar o nome da Maura Jorge para todo o estado do Maranhão. Em relação ao grupo Sarney, estive com a ex-governadora Roseana e com o seu pai, o ex-presidente José Sarney, e os comuniquei sobre a nossa candidatura, até por uma questão de transparência e de lealdade”, pontou.

Como se pode ver, a mulher não está brincando de ser candidata à governadora do Maranhão e garantiu que o seu discuso na campanha não será contra ninguém, mas “a favor do Maranhão”.

É aguardar e conferir.


Rico e cosmopolita, João Doria deveria ir até a cidade de Vancouver, no Canadá, e conhecer a Hastings Street, onde mesmo na luz do dia, viciados em heroína e outras drogas pesadas podem ser vistos com seus cigarros, cachimbos e seringas.

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), está na categoria de políticos que convencionou-se chamar de outsider.

Eleito no primeiro turno em 2016 desbancando da prefeitura o morno Fernando Haddad, do PT, Doria foi festejado pela mídia como sendo o símbolo da superação da política e dos políticos tradicionais e o exemplo de como o gestão pública pode ser tocada com conceitos e práticas do setor empresarial.

Não sou contra a utilização de métodos administrativos do setor privado no setor público, pelo contrário. Como especialista, acredito perfeitamente ser possível adotar modelos positivos, que focam em resultados na área privado, no setor público. Se as empresas visam o lucro financeiro como resultado final de suas atividades, na administração pública o lucro deve ser o social, no sentido de oferecer mais e melhores serviços para a cidadania através da correta aplicação dos impostos pagos pelos contribuintes.

O problema do prefeito Doria, porém, é pensar que pode fazer tudo do jeito que quiser, e na hora que quiser, como se estivesse tomando decisão em umas das empresas dele. Isto é, confunde o Doria prefeito com o Doria empresário! E é exatamente aí que reside o risco desses outsider que caem de paraquedas na política.

Nesse sentido, Doria é parecido com Donald Trump, o outsider americano que surpreendeu o mundo ao eleger-se presidente da maior potência do mundo.

Essa ação atrapalhada, ridícula e desastrosa do prefeito de São Paulo na região conhecida como Cracolândia mostra muito bem esse perfil voluntarioso de Doria.

O que poderia ser uma ação positiva e necessária do poder público para combater o tráfico e resgatar cidadãos sequestrados pelas drogas, acabou se transformando em operação policial que misturou alhos com bugalhos, pobres drogados com perigosos traficantes, sem tetos com marginais e por aí vai…

Rico e cosmopolita, João Doria deveria ir até a cidade de Vancouver, no Canadá, e conhecer a Hastings Street, onde mesmo na luz do dia, viciados em heroína e outras drogas pesadas podem ser vistos com seus cigarros, cachimbos e seringas.

A diferença é que, ao contrário da nossa Cracolândia, na Hastings Street as autoridades governamentais tratam a questão dos viciados não como caso de polícia, mas de vida. Só para teros uma ideia, o  orçamento da clínica do governo provincial para drogados é de 2,9 milhões dólares canadenses (ou cerca de R$ 6,7 milhões).

Lá existe a Insite, clínica local que oferece a oportunidade de formar relacionamentos e incentivar as pessoas marginalizadas a acessar os serviços de saúde, já que cerca de metade dos usuários estão desabrigados e tem problemas mentais. Mais: a única forma de internação é a espontânea. Porém, o usuário pode, ­­se quiser,­­ ficar acomodado nas dependências da clínica.

Mr. Doria poderia deixar um pouco o traje de gari de lado e rumar para Vancouver e passar uns dias na Hastings Street.

Certamente trataria a questão da Cracolândia sob um novo olhar.

Quicá um olhar humano, mais de gestor público do que de empresário bem sucedido.

(Com informações da Folha de SP)


Mostrando-se um prefeito arrojado e comprometido com o desenvolvimento do Maranhão, Hilton Gonçalo (PCdoB), anunciou que até 2020, 95% das residências de Santa Rita vão possuir água encanada. A meta audaciosa demonstra a preocupação da administração municipal para promover o bem estar social e uma melhor qualidade de vida para população.

Para alcançar a meta, o prefeito Hilton Gonçalo deu a ordem para perfuração de poços em todas as comunidades do município de Santa Rita. Até o momento, oito novas redes de abastecimento de águas já foram entregues para a população. Estas foram desenvolvidas nos povoados Carema (dois), Munim, Rampa, Alto de Fátima, Cariongo e nos bairros do Ramal Matinha, Bahia, todas com recursos próprios.

Em parceria com o Comefc – Consórcio dos Municípios dos Corredores Multimodais do Maranhão, outras redes foram abertas nos povoados Palmeiras, São Raimundo da Felicidade e Pedreiras.

De acordo com Hilton Gonçalo, a meta inicial era de instalação de 96 novos sistemas de abastecimento de água até 2020, mas esse número deve superar a barreira dos 100, uma vez que a Prefeitura de Santa Rita vem desenvolvendo o trabalho com agilidade e eficiência.

Além do poços que estão sendo abertos, a Prefeitura de Santa Rita está abrindo com recursos próprios, 8 mil metros de encanamento.

Em alguns povoados e bairros de Santa Rita existe a necessidade de realizar serviços de manutenção, que por conta da ação do tempo ocorreu a danificação natural, porém, as equipes da Prefeitura já estão fazendo o trabalho de monitoramento e estão iniciando os reparos garantindo a readequação do serviço.


Ao agir com tamanho pessimismo contra a classe a qual pertence, Bira do Pindaré acaba dando motivos para que o povo maranhense entenda que o mesmo quadro de degeneração política ocorre no âmbito da Assembleia Legislativa do Maranhão

Na manhã desta quinta-feira, o deputado estadual Bira do Pindaré (PSB) subiu na tribuna da Assembleia Legislativa para expressar o seu pessimismo em relação aos políticos, em especial aos deputados federais e senadores brasileiros.

Ao criticar uma eventual eleição indireta pelo Congresso Nacional, o parlamentar socialista afirmou que o processo seria um festival de corrupção, compra de votos, um balcão de negócios etc.

Ora, o deputado tem todo o direito de criticar a eleição indireta e defender as “diretas já”, mas com argumentos convincentes do ponto de vista político e jurídico, e não colocando sob suspeita o conjunto dos deputados e senadores da República como se todos fossem venais, mercenários e corruptos.

Ao agir com tamanho pessimismo contra a classe a qual pertence, Bira do Pindaré acaba dando motivos para que o povo maranhense entenda que o mesmo quadro de degeneração política ocorre no âmbito da Assembleia Legislativa do Maranhão, principalmente no período de eleição da mesa diretora da Casa quando deputados estaduais são “sequestrados” para evitar traição, como ocorreu certa vez quando ele, inclusive, ficou trancafiado em um certo sítio na zona rural de São Luis. Só que a gente sabe que não é assim, ou seja, os deputados são “guardados” não porque podem ser “comprados”, mas para fazerem suas articulações e estratégias e, dessa forma, garantir a vitória do grupo a qual pertencem.

Não!, meu caro Bira do Pindaré, não é todo político que está disposto a vender seu voto e sua alma para tirar vantagem em eleições que ocorrem nos poderes legislativos pelo Brasil afora, inclusive numa eventual eleição indireta.

Portanto, que se defenda as “diretas já” com argumentos, repito, convincentes política e juridicamente, e não desqualificando de forma genérica o Congresso Nacional e colocando todos os congressistas no mesmo balaio de corrupção que assola o Brasil.

Á a opinião do Blog do Robert Lobato.


O jornal O Estado do Maranhão fez um mea-culpa em relação à confusão causada pela coluna Estado Maior, edição de ontem, 24, quando confundiu o nome de Andréa Neves, irmã do senador mineiro Aécio Neves (PSDB) com a deputada maranhense Andrea Murad (PMDB).

Na edição desta quinta-feira, 25, porém, a referida coluna traz uma nota intitulada “Nossas desculpas”, que diz:

Um lapso de digitação e falta de atenção acabou gerando um constrangimento gratuito à deputada Andrea Murad (PMDB),na edição de ontem de O Estado.No complemento de uma matéria de agência, o nome da irmã do senador Aécio Neves (PSDB­MG), Andréa Neves, ganhou um Murad de sobrenome, gerando o erro grosseiro. O Estado pede sinceras desculpas à deputada maranhense, certo do constrangimento gerado desnecessariamente.

A “troca de bolas” do EMA foi motivo de chacota por parte de blogueiros ligados ao Palácio dos Leões que aproveitaram o vacilo do matutino da família Sarney para caçoar da parlamentar peemedebista.

Mas, agora, está tudo esclarecido.

Bola pra frente.


Precisa ser muito inocente para acreditar nisso. Meu filho vice significa que fico inelegível em 2022.

(Roberto Rocha, sobre nota ‘plantada’ no Jornal o Estado do MA sobre suposta proposta feita pelo senador de fazer o seu filho vice na reeleição de Flávio Dino)


O comitê organizador da segunda edição do seminário “Revitalização dos Rios Maranhenses e Suas Nascentes”, divulgou a programação oficial do evento que ocorrerá em Pedreiras, nesta sexta-feira (26), a partir das 8:00h, no auditório da Faculdade de Educação São Francisco- FAESF.

Realizado pelo Instituto Cidade Solidária e gabinete do senador Roberto Rocha (PSB), com co-realização do Movimento Ensinando e Aprendendo- MEA, o seminário vai reunir profissionais que são referências na área de sustentabilidade ambiental, para discutirem políticas públicas para a preservação das bacias hidrográficas do Maranhão.

Para os interessados em participar do seminário, basta fazer a inscrição pelos contatos: inscricoes@cidadesolidaria.org, ou 98/9-9221-1261. Quem mora em Pedreiras, Trizidela do Vale e região, também pode fazer a inscrição na sede da Associação Comercial Industrial e do Agronegócio de Trizidela do Vale- ACIATRI, localizada na Rua Santo Antônio, nº 157, Centro- Trizidela do Vale.

No dia do evento, levar 01 kg de alimento não perecível, que será doado para comunidades carentes.

Confira a íntegra programação: (sujeita a alteração)

8h- Recepção e Credenciamento
8:30h- Cerimônia de Abertura
(Senador Roberto Rocha, Angelo Guerra, diretor geral do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas –DNOCS- e demais autoridades)

10h- Planejamento da Codevasf para a Bacia Hidrográfica do Mearim
Responsável: Ericka Rocha da Cunha- chefe da Unidade Regional de Meio Ambiente da Codevasf

11h- Palestra: A Bacia do Mearim- Sua Importância e Propostas para a Sua Revitalização
Palestrante: profº Antônio Lopes do Bonfim Neto- chefe do Departamento de Ciências Agrárias da UEMA- Campus Bacabal.


Meu Ibope particular aponta uma preferência: Cármen Lúcia. O problema é saber se ela quer e se tecnicamente pode. Parece que nos dois casos a resposta é não

Zuenir Ventura, via O Globo

A pergunta que mais tenho ouvido é: “E agora, o que vai acontecer?” Costumo responder assim: “Se souber, me fala, porque também não sei”. E nem sei se alguém sabe.

O ponto de interrogação é o mais usado ultimamente nos textos políticos, a começar pela questão básica: Temer fica ou cai?

Embora ele tenha dito e repetido que não renunciará, a afirmação não é garantia de permanência, já que ficar ou não ficar não depende apenas de sua vontade, contra a qual, aliás, há mais de uma dezena de pedidos de impeachment, inclusive da OAB, aprovado pelos votos de 25 conselheiros federais e com apenas um contrário.

Lydia Medeiros revelou ontem em sua coluna que o próprio presidente teria concordado com a ideia de renúncia, desde que houvesse a garantia de que ele não iria para a prisão. Os articuladores da solução para a crise — Sarney, FHC, Romero Jucá e Renan — estariam discutindo então “opções como indulto ou pedido de asilo”.

Mas como nada é fácil nesse momento, Temer fora, de um jeito ou de outro, quais seriam os candidatos a ocupar o seu cargo? Quem e o quê viria depois?. “O primeiro obstáculo”, diz a colunista, “é a escolha de um nome de consenso” numa eleição indireta.

Nos últimos dias surgiram vários “candidatos” à possível sucessão — Gilmar Mendes, Nelson Jobim, Cármen Lúcia, Tasso Jeireissati — mas algum deles alcançaria o consenso?

Cada um esbarra em restrições ou resistência.

Meu Ibope particular, por exemplo, feito de amigos, parentes, conhecidos, vizinhos aponta uma preferência, que é também a minha: Cármen Lúcia, ou Cármen lúcida.

O problema é saber se ela quer e se tecnicamente pode. Parece que nos dois casos a resposta é não. Além de não ser filiada a partido, dificilmente trocaria a magistratura, que tanto ama, por um mandato fugaz na Presidência da República, onde só esbarraria no caminho com pepinos e abacaxis.

A poeta Liane dos Santos, leitora do físico alemão e Prêmio Nobel Werner Heisenberg, descobridor do princípio da incerteza, que ele prova matematicamente, cita a teoria do mestre, que pode ser resumida livremente assim: “Só existe uma certeza, a da incerteza”.

Se a tese precisasse ser confirmada, o Brasil de agora seria um bom laboratório.

P.S. Uma última questão: como o Ministério Público explica a complacência que permitiu a Joesley Batista sair com mais dinheiro do que entrou no processo de delação, receber mais de prêmio do que vai pagar de multa? Em compensação, o mercado foi à forra: as ações da JBS despencaram na Bolsa desde as denúncias de seu principal executivo.


Acompanhem abaixo. Volto em seguida.

Piada nº 1:

Piada nº2

Bom, os prints acima são dois momentos, digamos, de cara de pau do ex-prefeito Gil Cutrim (PDT).

E não só cara de pau como oportunismo na medida que Gil tenta “surfar”, desgraçadamente, no lamentável acidente ocorrido com um ônibus escolar da Prefeitura de São José de Ribamar que capotou, no final da tarde de segunda-feira, 22, com aproximadamente 45 crianças, nas proximidades de Bom Jardim, na Zona Rural do município.

Ainda que seja um fato lamentável, esse acidente ocorreu com um veículo, ao que parece, adequado para o transporte dos estudantes, no que se pode concluir ter sido uma lamentável fatalidade – o que não exime o prefeito Luis Fernando (PSDB) da responsabilidade e obrigação de apurar com rigor as causas do acidente.

O que chama a atenção, voltando ao ex-prefeito Gil Cutrim, é que na gestão do pedetista alunos eram transportados como mercadoria em caminhões baú como denunciou à época o jornalista Diego Emir (veja aqui). Ou, pasmem!, em carroças a um custo de R$1,00 por mês para os pais de alunos (veja aqui).

Alunos transportados em caminhão baú na era Gil Cutrim.

Quando não em caminhão baú, os alunos eram transportados em carroça.

Ora, qual a moral que Gil Cutrim tem para publicar notas e mais notas “repudiando” o acidente ocorrido no povoado de Bom Jardim e se solidarizando com os alunos e suas famílias? Nenhuma!

Todos sabem o trabalho que esta sendo empreendido pelo prefeito Luis Fernando nesses primeiros cem dias de governo para restabelecer a normalidade administrativa em São José de Ribamar e, assim, implementar uma nova agenda de gestão para a cidade e povo ribamarense.

Resumindo: não será fácil o processo de “descupinização” do município de São José de Ribamar, por mais que prefeito Luis Fernando esteja determinado a isso.


Reinaldo Azevedo foi vítima duas vezes: (1) do autoritarismo dessa gente da Lava Jato que está mais para justiceiros do que para autoridades judiciárias; (2) da sua personalidade arrogante que agora sente na pele aquilo que algumas vezes desejou para os seus desafetos, em particular para os “petralhas”.

O jornalista Reinaldo Azevedo pediu, ou foi convidado a pedir, demissão de Veja, veículo no qual hospedava o seu blog, talvez o mais acessado do país.

Seja voluntária ou forçada, a demissão de Reinaldo do site de Veja deu-se após vazamento criminoso de conversa do jornalista com a irmã do senador afastado Aécio Neves (PSDB/MG), que foi presa na semana passada pela Operação Lava Jato.

A conversa, que foi tornada pública pela Procuradoria Geral da República do senhor Rodrigo Janot, não contém nada de extraordinário que pudesse levar a crer que Reinaldo Azevedo teria cometido algum crime.

O vergonhoso episódio está sendo considerado por aliados e adversários de agora ex-colunista de Veja como um atentado à liberdade de imprensa e uma clara retaliação de Rodrigo Janot às contundentes críticas que Reinaldo Azevedo vinha fazendo à força-tarefa da Lava Jato, cujo Janot é um dos “capas”.

Ódio político

Reinaldo Azevedo não é o que se pode chamar de uma jornalista equilibrado do tipo, por exemplo, deixa eu ver… um Ricardo Kotscho. Pelo contrário, ele tem uma personalidade forte de tal forma que a pessoa Reinaldo Azevedo devora o profissional Reinaldo Azevedo. O resultado é alguém de perfil arrogante, autoritário, vaidoso e debochado.

Reinaldo Azevedo orgulha-se de ter criado o termo “Petralha”, uma fusão de petista com metralha, dos Irmãos Metralhas, aqueles personagens ‘bandidos’ criados pela genialidade de Walt Disney.

Para Reinaldo, portanto, não importa quem seja o petista ou mesmo um simpatizante do PT, todos são “petralhas”, numa generalização típica de quem carrega a ódio político no sangue e nos olhos.

Só que o Reinaldo Azevedo não está só nessa toada da cultura do ódio político instaurada neste Brasil de guerra política travada basicamente entre petistas e tucanos.

Se, à direita, Reinaldo Azevedo cumpre o papel para escrachar e desrespeitar o PT e as esquerda de uma modo em geral, o antipático Paulo Henrique Amorim não fica por baixo e faz uso, à esquerda, das mesmíssimas práticas do primeiro. Aliás, às vezes me pergunto por onde andava esse esquerdista revolucionário chamado Paulo Henrique Amorim antes do PT chegar ao poder…

De qualquer forma, não se pode deixar de considerar que Reinaldo Azevedo foi vítima duas vezes: (1) do autoritarismo dessa gente da Lava Jato que estão mais para justiceiros do que para autoridades judiciárias; (2) da sua personalidade arrogante que agora o obriga a sentir na pele aquilo que algumas vezes desejou para os seus desafetos, em particular para os “petralhas”.

Concluindo
O fato é que nada justifica o que fizeram com o jornalista Reinaldo Azevedo.

Foi um grave ataque à liberdade de imprensa que, para fazer justiça, ele próprio, Reinaldo Azevedo, já vinha alertando sobre o perigo dessa fúria justiceira dos Janot’s, Dallagnol’s e Moro’s da vida, inclusive saindo em defesa do blogueiro Eduardo Guimarães (Blog da Cidadania) quando este foi instado a revelar sua fonte à Polícia Federal a mando do juiz Sérgio Moro.

Enfim, que o ex-Veja e ex-Jovem Pan reflita sobre o acontecido e contenha mais um pouco o seu ímpeto de fazer do seu talento uma arma que, quando não fere, mata na alma muitas pessoas de bem.