FRASE DO DIA

Destruir Lula é roubar a voz dos pobres, só um povo infantil faria uma coisa dessa

(Domenico De Masi, sociólogo italiano)

Comentar

Quando alguém se dá o preço de quanto vale, o interlocutor pode até pagar, mas estará comprando tão somente um “produto” para determinado uso que, tal como uma mercadoria qualquer, pode ser descartado a qualquer tempo por qualquer motivo.

Acho que lá pelos idos de 1989, caso não seja traído pelo memória, conheci um piauiense, senhor de meia-idade, funcionário da Wella, famosa multinacional do setor de cosméticos, na cidade do Rio de Janeiro.

Ele era um militante de longas datas do PCB e aprendi muitas coisas boas com aquele simpático senhor. Foi dele, aliás, a dica de leitura do livro “Cangaceiros e Fanáticos”, de Rui Facó, obra que marcou muito a minha juventude e, por conseguinte, minha formação política – na época tinha 18 anos.

Certa vez, em uma das muitas boas e produtivas conversas sobre política e a vida que mantínhamos costumeiramente, quase sempre regadas a um chope gelado, o amigo perguntou o que eu achava sobre a ideia de que todo homem tem o seu preço.

Lembro ter respondido que concordava com essa premissa, embora, no meu caso particular, impus um preço muito alto que certamente ninguém teria coragem ou interesse de comprar. Ele riu, estendeu a mão e disse: “Você é uma cara bom”.

Essa histórica veio a minha memória por estes dias após um bate-papo com um amigo blogueiro pelo WhatsApp.

Conversávamos sobre a postura de algumas pessoas que não se dão o devido valor e acabam vendendo a inteligência ao diabo não importando se vão cair no ridículo ou não. Foi quando o amigo de blogosfera filosofou: “Bob, algumas pessoal têm preço, outras têm valor”. Perfeito!

Isso serve para qualquer coisa que fazemos nessa vida.

Quem tem preço é mercadoria. Pessoas têm valor.

Quando alguém se dá o preço de quanto vale, o interlocutor pode até pagar, mas estará comprando tão somente um “produto” para determinado uso que, tal como uma mercadoria qualquer, pode ser descartado a qualquer tempo por qualquer motivo.

Com quem tem e se dá valor é diferente.

É que valor não se compra, se conquista e uma vez conquistado se preserva.

Enquanto preços são estabelecidos segundo o binômio compra e venda, valores são fundamentados a partir de princípios.

Relações estabelecidas sob preços estão fadadas ao fracasso, pois não há lealdade, compromisso duradouro, sentimento de solidariedade etc. Predominam apenas interesses materiais puro e simplesmente, posto que são relações utilitaristas: serviu, ótimo; não serviu, adeus!

Por isso, meu caros leitores, não coloquem em si, e muito menos se deixem colocar, etiquetas com um preço.

Mostrem, isso sim, possuir VALORES.

Deixem quem estiver à procura de uma relação com preço pesquisar por aí pelos prateleiras vida.

Há “produtos” para tudo que é gosto e bolso.

Uma ótima e abençoada sexta-feira para todos.

PS: Valeu, senhor Antônio! Valeu, Lud!


O Maranhão e o Brasil está muito próximo de conhecer o talento da jovem Lidia Carollini.

A garotinha, de apenas 10 anos, é evangélica e cantora gospel, e em breve estará gravando o seu primeiro CD numa das maiores gravadoras do país –  a mesma da bela e simpática Aline Barros.

Fiquem com o vídeo de Lidia Carollini, que em dois dias já obteve 5 mil visualizações, interprendendo a música “Por amor sua vida entregou” – ela não tem não um rostinho bem familiar? 🙂 


Há várias formas de ressurreição.

Os que têm muita fé acreditam que é possível uma pessoa ressuscitar para vida mesmo dada como clinicamente morta.

Mas existe um tipo de ressurreição, digamos, mais metafórica, ou seja, aquela em que alguém volta a viver depois de passar algum tempo “morto” para a vida real. Foi o que aconteceu com um dileto amigo blogueiro neste 2 de novembro de 2015, Dia de Finado.

“Bob, tô bolando uma ideias para superar essa crise que estou passando. Tenho potencial e não estou mais disposto a ficar dependendo de pessoas que só querem o poder pelo poder, de enganadores da nossa boa-fé. Vou reverter esse quadro, amigo”, assegurou com firmeza.

As palavras desse meu amigo é uma forma de ressuscitar para vida através da ATITUDE de quer mudar e de ter FOCO rumo à mudança.

A mim, claro, coube dar força e estimular o amigo para que realmente consiga o seu lugar ao sol.

A primeiro passo já foi dado: a decisão de querer MUDAR.

Agora é só não DESISTIR de ser FELIZ.

Siga em frente, amigo.


Céu ou Inferno?

Mullah Nasrudin sonhou que estava no céu e que tudo a sua volta era muito bonito e fácil. Só encontrava beleza e não precisava fazer esforço para nada, bastava desejar uma coisa – qualquer coisa – e ela aparecia.

Nasrudin tinha tudo o que queria e estava super satisfeito. Os milagres aconteciam sempre que desejava. Foi bom demais por algum tempo, até que ele começou a se entediar, deixou de achar graça naquela vida. Aí resolveu procurar algum problema, qualquer situação que lhe aborrecesse ou até lhe fizesse ficar deprimido, porque já não suportava mais tanta maravilha.

Não encontrou nada que lhe perturbasse. Passou a procurar um trabalho para fazer, uma responsabilidade qualquer e não havia nada, porque tudo era perfeito.

No seu sonho Mullah Nasrudin gritou: – Não aguento mais! Estou cheio de não fazer nada e de ter tudo! Preferiria estar no inferno!

E uma voz lhe respondeu:

– E onde é que você pensa que está?

(Autor desconhecido)


Homenagem do Blog do Robert Lobato ao mestre, ator, diretor, produtor e, sobretudo, provocador, Antônio Abujamra, que foi deixado pela vida  nesta terça-feira (28/4), aos 82 anos, em sua casa em São Paulo.