A sociedade deve acompanhar atentamente o trabalho do deputado Wellington do Curso e do secretário Felipe Camarão e fazer o seu próprio julgamento.

Imagem do Atual7.

Criou-se um quiproquó na sociedade maranhense a partir das denúncias feitas pelo deputado estadual Wellington do Curso (PP) sobre o que ele entende como “propaganda enganosa” do Governo do Maranhão sobre a educação.

O parlamentar progressista tem percorrido o estado fiscalizando as “escolas dignas” anunciadas pelo Palácio dos Leões.

De Norte a Sul do Maranhão, Wellington vem acompanhando as propaladas reformas e construções de unidades escolares da rede estadual de ensino, mas quase sempre o que tem mostrado é algo completamente diferente do que é “vendido” pelo governo Flávio Dino.

Por outro lado, o secretário de Educação, Felipe Camarão, com a serenidade que lhe é característica, evita entrar em confronto direto com o deputado Wellington preferindo mostrar dados do que realmente há em curso no Maranhão: “um programa avançado e arrojado na área educacional que atende pelo nome de ‘Escola Digna'”, segundo o discurso oficial.

Cada um dos dois, Wellington e Felipe, estão cumprindo o seu papel – é bom que se diga!

Ora, claro que um dos principais papéis de um parlamentar é fiscalizar o Executivo.

No caso de Wellington do Curso, que sempre se disse pertencer à base governista, mas que atua de forma autônoma, suas denuncias ganham, ainda mais, ares de credibilidade. E se o deputado exagera na dose do discurso e na forma das denúncias é uma questão de estilo que pode ou não ser mudado dependendo quem ele ouve ou o assessora.

O que não parece razoável é escalarem um suplente de deputado, notório fanfarrão e criador de caso na Assembleia Legislativa, como é o caso do Marcos “Play” Caldas, para pedir, pasmem!, Conselho de Ética para Wellington a pretexto que este mentiu sobre suas denúncias. Isso é uma pilhéria!

Quanto ao secretário Felipe Camarão, certa vez me disse que  havia convidado o deputado Wellington para conhecer algumas unidades contempladas pelo programa Escola Digna e outras ações da Secretaria de Educação. Aliás, convite que este Blog do Robert Lobato entende como de bom alvitre e uma vez feito – e pelo que conhecemos do secretário não tem o porquê de achar que não é verdade – errou o nosso atuante deputado em não ter aceitado. Seria uma ótima oportunidade para Wellington confrontar as ações divulgadas pelo Governo do Estado em relação à pasta do secretário!

Enfim, a sociedade deve acompanhar atentamente o trabalho do deputado Wellington do Curso e do secretário Felipe Camarão, e, a partir daí, fazer o seu próprio julgamento.

Ambos merecem o respeito dos maranhenses.

É a opinião do Blog do Robert Lobato.

6 comentários em “EDUCAÇÃO: A sociedade deve confiar em Wellington do Curso ou em Felipe Camarão?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *