O jornal O Estado do Maranhão (JEMA) traz, na edição deste sábado, 17, uma extensa e esclarecedora matéria assinada pelo editor de política Marco Aurélio D’Eça, sobre a badalada propaganda do Governo do Estado de que na gestão Flávio Dino já foram economizados mais de  de R$ 500 milhões no setor da Saúde.

O Blog do Robert Lobato foi o primeiro a pautar essa questão no post Caso Idac: Para onde foi a “economia” de meio bilhão na saúde do Maranhão? (reveja aqui) onde faz justamente uma abordagem de como é possível fazer “economia” numa área tão sensível e carente de recursos como é o caso da saúde.

“Soa estranho, para dizer o mínimo, um estado pobre como o Maranhão se gabar de faz poupança com recursos de um setor extremamente frágil que, ao invés de ter dinheiro poupado, teria que receber mais e mais investimentos para fazer o sistema funcionar a contento”, diz trecho do referido post.

A matéria do JEMA também assegura que o enquanto o governo comunista “economizava” na Saúde, a pasta da Comunicação bamburrava com um aumento de quase 35% nas suas verbas. Aliás, o Blog do Robert Lobato também alertou para essa questão quando questionou, no mesmo post linkado acima: “No que na área da propaganda o Governo do Maranhão é show – será que parte da “economia” na pasta da Saúde foi para a Comunicação? – não se pode dizer o mesmo quando o assunto é a gestão.”

Em suma, a excelente matéria d’O Estado do Maranhão traz elementos publicados aqui, no nosso Blog do Robert Lobato, que também fez com que o assunto chegasse na Assembleia Legislativa do Maranhão através de um contundente pronunciamento do deputado Wellington do Curso (PP).

Fiquem a seguir com a íntegra da matéria do JEMA.

GOVERNO FLÁVIO DINO
Governo Flávio Dino corta recursos da Saúde e aumenta verba para comunicação no MA

MARCO AURÉLIO D”EÇA – EDITOR DE POLÍTICA

Flávio Dino aumentou os recursos da pasta de Márcio jerry (Foto: Arquivo).

Redução de R$ 500 milhões na assistência médico-hospitalar entre 2015 e 2017, resultou no colapso de unidades de saúde; no mesmo período, a Secom teve aumento de quase 35%

Numa das mais bisonhas propagandas do governo Flávio Dino (PCdoB), um banner distribuído nas redes sociais no início da semana que passou – para contrapor as denúncias de corrupção envolvendo a Secretaria de Saúde – a comunicação governista divulgou um banner que anuncia, orgulhoso, o corte de R$ 508 milhões nas ações de Saúde, entre 2015 e 2017.

Diante da atual realidade das unidades de Saúde no Maranhão – sucateamento das UPAs, fechamento de hospitais e desestímulo de profissionais da área – o banner repercutiu negativamente na imprensa e nas redes sociais. “Qual o sentido de cortar R$ 500 milhões da saúde, deixando hospitais fechados e atendimento precário?”, questionou o deputado Wellington do Curso.

A festejada “economia” do governo, de mais de 50%, no setor de Saúde fica ainda mais negativa quando se compara com o aumento considerável no orçamento da Secretaria de Comunicação Social e Articulação Política (Secap) – de 35% – entre 2016 e 2017. É exatamente a Secap a responsável pelo famigerado banner festejado pelos comunistas – e que sumiu da mídia diante das críticas.

Salto

Em 2016, a Secap, chefiada pelo supersecretário Márcio Jerry, tinha orçamento previsto de R$ 43,8 milhões. Em 2017, esta verba subiu para R$ 58,9 milhões, num salto de mais de R$ 15 milhões.

Deste total, nada menos que R$ 23 milhões estão sendo usados em divulgação, como o banner da “economia” na Saúde, que casou tanta polêmica na mídia.

Além disso, o governo Flávio Dino prorrogou por mais um ano – até setembro de 2017 – contrato que mantém com a empresa Informe Comunicação Integrada, responsável por cuidar da imagem do governador Flávio Dino (PCdoB) na mídia nacional.

Em 2016, o contrato era de R$ 6 milhões. Em setembro, foi renovado por mais um ano, com o mesmo objetivo. A empresa é comandada por Rebeca Scatrut, esposa do jornalista Ricardo Noblat.

Números

R$ 508,9 milhões é o total “cortado” por Flávio Dino no setor de Saúde, entre 2015 e 2017.

Mais de 50% é o percentual de redução dos recursos na Saúde neste período

35% é o índice de aumento da Comunicação do governo comunista entre 2016 e 2017.

R$ 23 milhões foi o valor gasto por Flávio Dino em divulgação do governo em 2016.

Mais

A deputada estadual Andrea Murad (PMDB) deu uma espécie de lição de moral no governo Flávio Dino, em sessão na última quinta-feira, na Assembleia Legislativa. Em discurso, além de assegurar que assinará o pedido de CPI para apurar desvios na Saúde. Andrea pediu que a investigação se estenda ao período do secretário Ricardo Murad. O líder do governo Flávio Dino, Rogério Cafeteira, que estava na tribunal exatamente para criticar o pedido de CPI, constrangeu-se com a postura da colega e encerrou o discurso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *