FRASE DO DIA

Pretendo ser candidato ao Governo do Maranhão pelo PSB e com apoio do PSDB.

(Roberto Rocha)

6 Comentários

Acabou a novela pela disputa do PT na cidade de Pinheiro.

Por 9 votos a 7, a Comissão Executiva Estadual decidiu pela aliança do PT com o PMDB, derrotando a tese de aliança com o PSB do atual prefeito José Arlindo. O resultado é considerado até pelo aliados de Zé Arlindo como um “golpe fatal” ao seu projeto de reeleição.

Com a decisão pela coligação PT/PMDB,  o bancário César Soares foi alçado à condição de candidato oficial do PT ao cargo de vice na chapa liderada pelo peemedebista Filuca Mendes.

Para o petista, “a decisão mostra amadurecimento político do PT e abre cenários positivos para o partido crescer na cidade de Pinheiro, pois a aliança expressa o alinhamento ao projeto estadual e nacional do PT”.

César Soares disse ainda que irá procurar todas as lideranças do PT pinheirense, inclusive os que defenderam a aliança com o PSB, para tentar unificar minimamente o partido.

“Agora é o momento de procurar pacificar o partido, abrir diálogos com todas as forças e lideranças internas, para tentarmos costurar uma unidade miníma para eleger, além do prefeito e do vice, vereadores do PT”, disse.


por Luis Nassif

Da série “como passar recibo de que estou em pânico com a CPI”, Veja acaba de produzir mais uma de suas obras-primas.

Constata, primeiro, que assessores do PT estão escarafunchando a CPI atrás de dados contra adversários – dentre os quais o insigne Gilmar Dantas. Se não fosse a brava revista, não saberíamos de nada.

Veja bem, não se está falando de dossiês criminosos, grampos, invasões de hotel, parceria com o crime organizado. Mas de pesquisas em cima de documentos oficiais da CPI. Saiu na Veja? Virou escândalo.

Toda a imprensa nacional está em cima da CPI. Nessa dança, assessores do PSDB levantam dados contra o PT; assessores do PT levantam contra o PSDB e Gilmar; assessores do PMDB levantam contra Perillo, para poupar Cabral. E seria de outra maneira?

O outro extraordinário furo da Veja é que a CPI foi um tiro no pé, voltando-se contra seus próprios formuladores: Lula e o PT.

Qual o problema, então? Se a bandeira de Veja é destruir Lula, a lógica será dar todo gás à CPI. Ou não? E a melhor maneira de investigar os dados é cada grupo de assessores levantar os dados contra os adversários.

O que tem de real nesse jogo de cena:

1. Não há a menor hipótese da CPI ser usada em favor dos réus do mensalão.

2. O STF tem que julgar o mensalão com todo rigor. Mas é óbvio que está sob uma pressão intensa da velha mídia, buscando pautá-lo de todas as formas.

3. O fato de Delúbio ter criado o mensalão não absolve Veja do fato de ela ter criado Carlinhos Cachoeira.


Veteranos do Iraque e Afeganistão devolvem medalhas em protesto contra OTAN

“Quero dizer para aqueles atrás de nós, nestes muros fechados onde constroem mais políticas baseadas em mentiras e medo, que não estamos mais com eles e em suas guerras injustas. Tragam nossas tropas para casa”, disse Iris Feliciano, da Marinha dos EUA, que serviu no Afeganistão em 2002.” (Iris Feliciano, da Marinha dos EUA, que serviu no Afeganistão em 2002)

CHICAGO – Veteranos norte-americanos das guerras do Iraque e Afeganistão arremessaram suas medalhas no local onde ocorria a Cúpula da OTAN em 20 de maio, no que foi a mais dramática ação anti-guerra de ex-soldados desde o Vietnã. Um por um, mais de 40 membros do serviço de todos os ramos das Forças Armadas subiram ao palco para contar suas histórias enquanto milhares de manifestantes anti-OTAN ouviam e aplaudiam. “Quero dizer para aqueles atrás de nós, nestes muros fechados onde constroem mais políticas baseadas em mentiras e medo, que não estamos mais com eles e em suas guerras injustas. Tragam nossas tropas para casa”, disse Iris Feliciano, da Marinha dos EUA, que serviu no Afeganistão em 2002. Feliciano virou-se e arremessou suas medalhas para a McCormick Place, onde a Cúpula da OTAN foi realizada em 20-21 de maio.

Lado a lado dos veteranos no palco estavam três representantes da  Afegãos pela Paz (sediada no Canadá), cujos oradores condenaram a guerra dos EUA-OTAN, as perdas de vidas humanas e ao mesmo tempo expressaram solidariedade com os veteranos norte-americanos.

(Veja fotos dos protestos AQUI).

Suraia Sahar disse que tinha uma mensagem para os representantes da OTAN reunidos em Chicago: “Pelo que vocês têm feito para o meu país, eu estou furiosa. Pelo que vocês têm feito para o meu povo, estou enojada. Pelo que vocês fizeram para esses veteranos, estou de coração partido.

“Ao contrário da Guerra do Iraque, que recebeu oposição significativa antes e depois da invasão de 2003, a oposição à guerra no Afeganistão, agora em seu 11º ano, tem sido mais lenta para se construir entre os americanos. Com a fadiga da guerra, uma crise econômica e os cortes orçamentais draconianos para programas públicos vitais, pesquisas recentes mostram que quase 70 % dos americanos dizendo que os EUA não deveriam estar em guerra no Afeganistão.

Vestidos com uniformes, Veteranos do Iraque Contra a Guerra com uma seção recém-formada dos Veteranos Contra a Guerra no Afeganistão, levaram em marcha o protesto anti-OTAN, que se estendeu por várias quadras enquanto a polícia, em número quase igual – muitos em trajes anti-motim – foi às ruas ou esperava em ônibus que piscavam “My Kind of Town Chicago is” em letreiros. Atrás dos veteranos estavam líderes da CANg8 (Coalizão contra a OTAN-G8) de braços dados, marcando um espaço pré-acordado entre os contingentes das duas marchas organizadas. O reverendo Jesse Jackson acompanhou os veteranos.

Os veteranos levantaram várias questões durante sua cerimônia de medalhas e testemunhos. Chamados para libertar Bradley Manning, dedicatórias para crianças iraquianas, afegãs e dos EUA,  condenações das mentiras, da ganância corporativa e do imperialismo e pedidos para ações a respeito das taxas de suicídio dos veteranos, do transtorno de estresse pós-traumático generalizado e sobre o “direito de curar” moldaram as narrativas pessoais dos veteranos.

Pedidos para cortar gastos militares e investir em educação, trabalhos e saúde foram também feitos. (Assista aqui o vídeo)Ao mesmo tempo, demonstrou-se respeito por todos os soldados ativos em serviço, pelos veteranos e mesmo pela polícia.

Em um momento particularmente emocionante, o organizador do IVAW [Veteranos do Iraque Contra a Guerra] e guarda de Illinois Aaron Hughes dedicou suas três medalhas a “Anthony Wagner, que morreu ano passado” e para “um terço das mulheres nas forças armadas que são sexualmente agredidas por seus pares; falamos para nos levantarmos pelas nossas irmãs no Afeganistão e não podemos nem mesmo cuidar de nossas irmãs aqui”, afirmou.

Com a última medalha, a voz de Hughes começou a tremer de emoção. “Esta medalha … bem … aqui, é porque peço desculpas. Peço desculpas para todos vocês… Peço desculpas”, disse.

Os veteranos vieram de todo o país, incluindo Arkansas, Ohio, Wisconsin e Nova Iorque. Quando Scott Olsen, ativista veterano do Iraque e do Occupy Oakland, subiu ao palco com um capacete, a multidão demonstrou seu reconhecimento. Olsen quase foi morto no último ano pela polícia de Oakland quando dispararam gás lacrimogêneo na multidão e Olsen foi atingido na cabeça.“Meu nome é Scott Olsen”, disse. “Estas medalhas um dia me fizeram sentir-me bem sobre o que eu estava fazendo. Elas me fizeram sentir que eu estava fazendo a coisa certa. Então eu voltei para a realidade, e eu não as quero mais.” Olsen jogou no chão suas medalhas Guerra Global contra o Terror, Operação Liberdade Iraquiana, Defesa Nacional e Boa Conduta.

No início da cerimônia os veteranos presentearam Mary Kirkland com a bandeira americana, a mãe de um soldado que cometeu suicídio depois de várias tentativas e que ficou bem conhecido pelos militares. Kirkland disse que, depois de duas tentativas, os militares consideraram seu filho Derrick como estando em “risco baixo para moderado” para o suicídio, prescrevendo medicamentos e dando aconselhamentos sobre drogas e álcool. Ele fez ainda outra tentativa frustrada, ela disse, e então, em sua quarta tentativa, ele se enforcou. No dia em que  Kirkland enterrou o filho em Marion, Indiana, ela parou em um posto de gasolina, pegou um jornal e encontrou uma declaração surpreendente do Pentágono. “O Departamento da Defesa disse que o meu filho foi morto em ação”, disse ela. Eles também disseram que “a família não quis comentar”, afirmou.

“Eles começam com mentiras e continuam com as mentiras”, disse ela, acrescentando que se sentia honrada em fazer parte do protesto.Esta é a primeira vez, desde a Guerra do Vietnã – quando os veteranos contra a guerra atiraram suas medalhas no Capitólio dos EUA, em Washington – que um número tão grande de veteranos de guerra protestou de tal forma dramática. Apesar da chamada dos veteranos para uma saída pacífica do local do ato, um punhado de manifestantes enfrentou a polícia, resultando em uma demonstração de força e de violência pelas autoridades, com manifestantes se machucando e com numerosas detenções efetuadas.

Fonte: Partido Comunista dos Estados Unidos


Da Folha de S.Paulo

De acordo com a proposta, quem tiver “poder de gestão ou de representação civil e jurídica da emissora” não poderá ter mandato eletivo, ocupar cargo ou função que lhe assegure foro especial.

Para evitar que a regra seja burlada com o uso de “laranjas”, o governo também quer alterar o processo de concessão das licenças para que o dono dela também seja o responsável pela prestação do serviço -como ocorre na telefonia.

O decreto determina que os interessados em obter uma licença depositem 5% do valor da outorga para participar de um leilão. O vencedor terá até dois meses para pagar o restante à vista, comprovando sua capacidade financeira de instalar e operar a emissora. Só então o contrato vai ao Congresso.

Hoje, a caução é de 1% e o vencedor paga metade do valor só após a aprovação de seu projeto no Congresso. A diferença é paga após um ano.

Isso permitia que alguém com renda de R$ 2.000 ganhasse uma outorga de R$ 1,5 milhão em nome de terceiros com quem mantinha um contrato de gaveta.

O decreto também prevê que as concessões de TVs comerciais, hoje a cargo do Ministério das Comunicações, passe a ser de competência do presidente da República.



Dr. Gico: apoio à aliança PT/PMDB em Pinheiro e ao nome de César Soares como vice

O advogado João José da Silva, Dr. Gico (PT), negou, neste domingo (2), que esteja interessado na vaga do candidato a vice-prefeito numa eventual chapa com Filuca Mendes (PMDB) na eleição de prefeito de Pinheiro.

Segundo o petista pinheirense, a aliança PT/PMDB “oportuniza ao PT um melhor espaço no cenário político em Pinheiro”.

Dr. Gico reitera ainda apoio ao nome do bancário César Soares para “figurar na chapa majoritária como candidato ao cargo de vice-prefeito”.

Nesta segunda-feira (4), às 9h, a Comissão Executiva Estadual do PT decidirá a política de aliança a ser seguida pelo partido na cidade de Pinheiro.

A seguir, a íntegra da nota:

Oportunidade sim, oportunismo não

Companheiro César, tomei conhecimento que nesta segunda-feira sairá decisão sobre a aliança do nosso partido aqui em Pinheiro.

Gostaria de reafirmar que meu entendimento, neste momento, é pela a aliança com o PMDB, pois, esta, oportuniza ao nosso partido um melhor espaço no cenário político em nosso município. Assim, espero que os companheiros, mesmo distante da nossa realidade, entendam essa importância.

Por fim, reafirmo, ainda, que em sendo positivo a aliança, você tem meu modesto apoio para figurar na chapa majoritária como candidato ao cargo de vice-prefeito.

Saudações petistas.

Abraços. Gico da silva.

Pinheiro-ma, 02 de junho de 2012.

 


O jornalista Reinaldo Azevedo (Veja) não poderia ser uma referência para este blogueiro, mas cumpre-se o dever de admitir, mesmo com desgosto, que o cara tem talento para fazer o que faz com autoridades do governo do PT e com os petistas de uma forma em geral.

No Maranhão tem jornalista que, espelhando-se em Azevedo, se acha a última pedra de gelo de uma rodada de “Red”.

Dizem que ex-fumante não tolera fumaça de cigarro.

O mesmo ocorre com alguns jornalistas que já mexeram na panela no fogo da cozinha da “Casa Mal Assombrada”, mas que atualmente sentem “nojo” da sarneizada.

Ocorre que o ex-fumante superou o vício e esqueceu do cigarro. No caso de jornalistas ex-sarneístas, esquecem da cozinha do Sarney, mas não superaram a canalhice.

Não é para qualquer canalha ser um Reinaldo Azevedo.

É preciso muito blended escocês para ir buscar inspiração e encarnar o jornalista da Veja.

O risco é o cara morrer afogado no próprio vômito após um coma alcoólico.

Então: se beber, não escreva.



Washington Luiz ao lado da secretária de juventude do Governo Federal, Severine Macêdo, Severine Macedo, e lideranças do PT e do PMDB

Para elaborar uma plataforma de políticas públicas para os jovens com idade entre 15 e 29 anos, o Partido dos Trabalhadores (PT) promoveu neste sábado (02), o seminário “A juventude discute São Luís”, que se transformou em um ato de apoio à pré-candidatura do vice-governador Washington Luiz Oliveira a prefeito de São Luís.

O seminário contou com a participação da secretária de juventude do Governo Federal, Severine Macêdo, do secretário de Trabalho, José Antônio Heluy, do deputado Roberto Costa e representantes da militância jovem do PT, PMDB, PV, PTB, PSL PPL e PRP Jovem, que lotaram o auditório Fernando Falcão, da Assembléia Legislativa.

O pré-candidato do PT à prefeitura de São Luís avaliou que a manifestação de apoio recebida durante o seminário veio exatamente na contramão da onda de boatos sobre as infundadas versões de sua desistência, frutos de uma guerra midiática que deve acontecer durante os próximos meses na campanha eleitoral.

Washington Luiz disse que pretende fazer uma campanha propositiva, discutindo os problemas em busca de alternativas para São Luís, de forma participativa com as lideranças de todos os segmentos sociais. Os debates devem reunir jovens, trabalhadores, empresários e outras lideranças para elaborar um projeto de mudanças estruturais para o desenvolvimento e a modernidade de São Luís para o século 21.

Ele frisou que as declarações de diversas lideranças estaduais, entre as quais a governadora Roseana Sarney, considerando sua pré-candidatura a mais competitiva, representaram uma importante manifestação de apoio que veio somar com a expressiva contribuição da presidente Dilma Rousseff e do PT nacional, representado no seminário pela secretária de juventude do Governo Federal, Severine Macêdo.

Washington Luiz disse ainda que pretende reunir os movimentos sociais e todos aqueles que posam contribuir com projetos de mudanças para São Luís para a construção da força política necessária para efetivar as transformações que a cidade precisa e que repressentam um grande desafio. “Eu quero construir uma base política e social para enfrentar os desafios, com o apoio de todos para elaborar um programa condizente com a cidade do século 21”, afirmou.

Depois de lembrar a militância política e a longa amizade com a secretária do Governo Federal, Washington Luiz disse que Severine Macêdo trouxe uma importante contribuição para incorporar a juventude de diversos partidos à sua pré-campanha a prefeito de São Luís, uma das capitais com a população mais jovem do país.

O pré-candidato petista voltou a criticar os gestores municipais que deixaram São Luís com infraestrutura precária, sem serviços públicos básicos e com crescente segregação social e inchaço populacional. Para mudar este quadro grave, ele defende a construção de um pacto entre as gerações na defesa de um projeto que mude a qualidade de vida de São Luis, integrando as novas gerações ao processo democrático e a estratégia de desenvolvimento da cidade.

A secretária Severine Macêdo, que coordena as políticas públicas de juventude do Governo Federal, observou que o seminário foi uma oportunidade para discutir junto com a juventude partidária de São Luís a construção de um programa de governo que contemple o maior número de jovens da história recente do Brasil, com reflexos em todas as cidades.

Ela frisou que não se pode desperdiçar a oportunidade histórica de investir em uma geração, que representa mais de 50 milhões de pessoas de 15 a 29 anos no país. Ela salientou que a juventude é um segmento importante para a mobilização social e para construção de uma política de desenvolvimento sustentável no país, especialmente em São Luís onde os jovens representam um quarto da população.

Depois de lembrar que sempre militou na juventude política do PT, Severine Macêdo disse sua participação no encontro da juventude serviu para ouvir sugestões e contribuir na montagem do programa de governo que será apresentado durante a campanha de Washington Luiz.

Ela salientou que o pré-candidato petista aposta na participação dos jovens e abriu este importante espaço democrático de debate, com uma visão estratégica de criar oportunidades de trabalho e renda para a juventude, por meio de uma agenda desafiadora.

Severine Macedo disse que o governo federal vem implementando a construção de políticas públicas para a juventude com a criação de novos programas e frisou que elas [as políticas] só serão consolidadas quando os gestores estaduais e municipais fortalecerem estas ações como política de Estado.

Com um discurso afinado, as lideranças locais da juventude do PT, PMDB, PV, PTB, PSL PPL e PRP Jovem, disseram que o seminário serviu para elaborar uma plataforma de políticas públicas afirmativas para a juventude de São Luís.


Nada de acordo para a escolha de um desses aí acima

Tudo como dantes no quartel de Abrantes.

Os pré-candidatos a prefeito do condomínio dinista, Edivaldo Holanda Júnior (PTC), Eliziane Gama (PPS), Roberto Rocha (PSB) e Tadeu Palácio (PP), não chegaram a um acordo sobre quem será o candidato do grupo para enfrentar João Castelo (PSDB) e Washington Luiz (PT).

A “excelente reunião” deste sábado serviu apenas para reforçar o que todo mundo já está careca de saber: ninguém abre pra ninguém porque cada pré-candidato tem argumentos próprios para provar que é o melhor nome.

Pelo jeito, enquanto Flávio Dino insistir em “coordenar” as reuniões do grupo via SMS para Márcio Jerry, tão cedo não haverá a escolha do candidato. Dino tem que liderar os “pupilos”, tem que levantar o traseiro da cadeira da presidência da Embratur e vir a São Luis comandar pessoalmente esse negócio.

Enquanto não fizer isso, passará a impressão que está apenas “tirando onda” com a galera.

O que não seria coisa de um líder.