O que se tem atualmente é um modelo escroto que nem de longe representa algo que merece respeito dos filiados. Aliás, as próprias filiações foram deturpadas e hoje filia-se pessoas que não sabem ou entendem patavinas sobre o que é e como funciona o PT.

Conta a lenda popular que de boas intenções o inferno está cheio.

Se for verdade, o Processo de Eleição Direta do PT (PED/PT) tem seu lugar garantido lá nas profundezas do capeta.

De fato a intenção é (ou era) boa, mas o PED se transformou num monstro que devora as entranhas do PT.

O processo não difere praticamente em nada das eleições tradicionais quando o assunto é financiamento de campanha, abuso de poder político, poder econômico, fraude, trambiques e tudo mais.

Desde quando foi instituído, sob o comando do então presidente nacional do partido José Dirceu, no início dos anos 2000, o PED passou por uma pequenas modificações no último Congresso Nacional do PT. O que não foi suficiente para adequar ou aperfeiçoar o modelo.

Quando tesoureiro do PT, sugeri, durante os encontros para reformular o estado do partido, para que o PED fosse financiado pelo Fundo Partidário onde cada chapa teria disponível um valor proporcional a sua representatividade nos diretórios (nacional, estadual e municipal), conforme cada instância. O todo poderoso Delúbio Soares, então tesoureiro nacional, respondeu com uma baforada de charuto cubano na minha cara. Ou seja, a proposta de uma espécie de “financiamento público” do PED não foi sequer colocada em pauta!

O que se tem atualmente é um modelo escroto que nem de longe representa algo que merece respeito dos filiados. Aliás, as próprias filiações foram deturpadas e hoje filia-se pessoas que não sabem ou entendem patavinas sobre o que é e como funciona o PT –  se duvidar muitos não sabem nem mesmo o nome do atual presidente do partido no estado.

Filia-se parentes, gatos, cachorros, papagaios sem qualquer cerimônia ou escrúpulo.

O resultado dessa balbúrdia é um PED completamente desconfigurado.

No caso do Maranhão então… nem se fala. Até o hoje o resultado da eleição do dia 9 de abril não foi homologado e ninguém consegue afirmar com certeza quem foi eleito presidente do diretório estadual do PT, pois o que se comenta é que o processo foi viciado de cabo a rabo pelo Maranhão afora.

Enfim, o PED precisa urgentemente de profundas mudanças caso contrário vai ser apenas um engodo para dizer que há democracia interna no PT.

Da forma como está hoje não há democracia alguma, pois quem tiver mais estrutura, incluindo dinheiro e apoios externos ao partido, leva a parada.

Infelizmente é essa a realidade do PED.

2 comentários em “PED/PT: Um processo falido

  • O PED do PT reflete exatamente o que essa agremiação se tornou. Mas algumas perguntas, o caso foi parar na justiça? Haverá outra eleições? Zé Inácio de fato foi o eleito? Houve fraude comprovada? Explica isso aí grande Robert…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *