FRASE DO DIA

O que eu vejo é que o governo comunista, quando é pego de calças curtas, a única defesa que ele tem é atacar os outros.

(Eduardo Braide sobre a reação do governo Flávio Dino aos escândalos dos aluguéis)

Comentar

Temos um encontro marcado logo ali no cruzamento entre a revolução interna e a externa

Gustavo Gitti, via Vida Simples

Trago boas notícias! Por um lado, mestres das grandes tradições contemplativas estão sendo cada vez mais indagados sobre Brexit, Trump, crise política, colapso ambiental…

Apenas um exemplo: o título de uma palestra recente da professora americana Elizabeth Mattis Namgyel era Ativismo sem Agitação. Por outro lado, mais ativistas sociais estão se interessando pelo treinamento da mente. Micah White (um dos criadores do Occupy Wall Street, autor do livro The End of Protest, sem tradução para o português) e Angela Davis (filósofa ligada aos movimentos contra o racismo, o machismo e o sistema penitenciário) disseram que estão se dando conta da importância do equilíbrio emocional para a mudança social. Uma amiga ativista me contou que vários de seus parceiros estão sofrendo e tomando psicofármacos; quando ela se viu no mesmo caminho, começou a estudar e praticar o budismo.

Estamos sofrendo das mesmas bolhas que arrastam nossa mente e estreitam nossa vida. Precisamos não apenas sentar em roda para entender que bolhas são essas mas sentar em silêncio para retomar a liberdade da nossa mente frente a tais operações.É um duplo sentar.

Para sentar melhor em roda, sentamos em silêncio: caso contrário, com uma mente agitada, vamos reproduzir os problemas ao tentar solucioná-los. Para sentar mais em silêncio, sentamos em roda: ouvimos mil perspectivas até ficar nítido o limite dos remendos externos e isolados. Podemos organizar encontros entre as pessoas que mais servem comunidades e movimentos diversos. Cabe a nós propor soluções práticas para andarmos a partir daqui. Não basta criticar – como diz a escritora canadense Naomi Klein logo no título de seu novo livro, No Is Not Enough (“Não” Não É Suficiente).

Caso contrário, vamos deixar nosso futuro nas mãos de corporações, algoritmos, contratos e transações financeiras, não apenas na mão de políticos e legisladores corruptos. É a compaixão que nos leva a sentar em silêncio para ultrapassar os enganos cognitivos e as contrações emocionais que originam conflitos em múltiplos níveis. Nesse silêncio, ficamos mais íntimos de uma mente estável, clara, generosa, um tesouro de qualidades úteis em qualquer situação. É a mesma compaixão que nos leva a sentar em roda para mapear e priorizar o que deve ser feito.

Quando sonhamos com um outro mundo, já estamos nele – não porque ignoramos os problemas ou nos fechamos em um clube de bem-sucedidos, mas porque agora podemos concentrar nossa atenção, escolher juntos o que fazer. Como é que construímos esse mundo com shoppings, salas de aula, leis, avenidas, muros, presídios? Tudo começa no olho. Tudo começa na mente capaz de sonhar.

GUSTAVO GITTI é coordenador de uma comunidade online de transformação. Seu site é gustavogitti.com.


Quem é o único responsável por esse governo ser tão medíocre, fraco, centralizador, autoritário, inchado e soberbo é o senhor Flávio Dino de Castro e Costa.

Vai ficando claro a cada crise enfrentada pelo Governo do Maranhão, que ele, o governo, tem a cara e a personsalidade do governador Flávio Dino (PCdoB).

Lamento decepcionar aqueles, no qual me incluo, que por muito tempo achavam existir um “homem forte” no governo comunista de Flávio Dino. Não existe!

O governo é de Flávio Dino no melhor estilo o “Estado sou eu”, de Luís XIV.

Não é Márcio Jerry quem manda e desmanda no governo. Não é o cândido Carlos Lula que faz o bagaço na pasta da Saúde, já marcada por sucessivos escândalos. Não é o competente e carismático Felipe Camarão quem faz do programa Escola Digna uma peça publicitária que mistura realidade com ficção fazendo com que o deputado Wellington do Curso mostrasse que há mais a ficção do que realidade.

Não é o carequinha Chico Gonçalves o responsável pelo não cumprimento, por parte do Governo do Estado, de centenas de mandados judiciais de reintegrações de posse transformando o campo num barril de pólvora a explodir a qualquer momento pela insegurança jurídica que essa insubordinação governamental cria.

Não é o coitado do Marcelo Tavares quem diz “não” a cada prefeito e deputado estadual que chega ao Palácio dos Leões com o pires na não atrás de um convênio ou de uma emenda parlamentar. Aliás, Marcelo, na prática, não é chefe de nada, muito menos da Casa Civil.

Também não o ex-corretor de planos de saúde, elevado à condição de secretário de Infraestrutura, Clayton Noleto, o responsável pelos inúmeros contratos suspeitos no âmbito da sua pasta. Ele só faz o que o chefe manda ser feito.

Enfim, poderia citar Secretaria por Secretaria e mostrar que nenhum auxiliar do governador do Maranhão é o responsável pelos poucos acertos e pelas muitas merdas que esse governo tem feito.

O único responsável por esse governo ser tão medíocre, fraco, centralizador, autoritário, inchado e soberbo é o senhor Flávio Dino de Castro e Costa.

E dele, também!, a responsabilidade pela mudança que não veio.

O grupo Sarney agradece.


O primeiro encontro da agenda oficial do prefeito de São José de Ribamar, Luis Fernando Silva, na manhã desta quinta-feira (17) foi com os profissionais da Educação. Na porta da prefeitura, os professores receberam o prefeito para ouvirem o anuncio de uma das medidas mais importantes em favor dos educadores e consequentemente, em benefício da educação.

Após o encontro com os professores, o prefeito alinhou com os representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (Sinproesemma) o encaminhamento à Câmara de Vereadores do Projeto de Lei que concede reajuste salarial na ordem de 7,64% aos servidores do magistério da rede municipal de ensino, garantindo pagamento do reajuste nacional da categoria.

O Projeto de Lei entregue aos representantes do legislativo, vereadores Cristiano Pinheiro e Marlene Monroe, deverá ser apreciado pelos vereadores ainda nesta quinta-feira (17) em regime de urgência.

Com o reajuste salarial dos profissionais, de acordo com o prefeito Luis Fernando, a Prefeitura busca atender ao pleito dos servidores do magistério como forma de respeito e compromisso com os educadores, muito embora o esforço também vá custar o corte em outras áreas da educação, de forma a equacionar as contas públicas.

“Os professores são imprescindíveis no processo do ensino-aprendizagem e precisamos valorizar a categoria para que o município volte a ser referência nos indicadores nacionais, porém não podemos esquecer as limitações orçamentárias do município impostas por diversos cortes feitos pelo Governo Federal na ordem de mais de três milhões de reais, sem falar da crise que afeta diretamente a gestão”, explicou o gestor.

Mesmo assim, completou Luis Fernando, “estamos fazendo um enorme esforço no sentido de preservar a qualidade do ensino, viabilizando os investimentos no custeio da educação, porém precisamos ser realistas, vamos precisar equacionar as contas fazendo cortes e retardando outros investimentos igualmente importantes para a educação, a exemplo da reforma das escolas que atendem 25 mil alunos”, destacou o prefeito, ao explicar que 46 escolas já foram reformadas e equipadas, e que o reajuste dos servidores da rede passa a ter efeitos financeiros já na folha do mês de agosto.

Para o vereador, professor e líder na Câmara dos Vereadores, Cristiano Pinheiro, é de extrema responsabilidade a atitude do prefeito que além de garantir o reajuste, chama a categoria para a discussão, colocando os números reais e a atual situação da educação do município.

“Foram apenas dois encontros com a categoria e já saímos daqui hoje com o reajuste da classe, o que sem dúvida mostra o respeito e valorização do prefeito Luis Fernando com os professores. Em contrapartida, precisamos, enquanto educadores, retomar o crescimento da educação que hoje apresenta números abaixo dos indicativos, fruto da falta de incentivo da gestão passada”, avaliou o vereador.

A coordenadora do Simproesemma/núcleo de São José de Ribamar, Ilza Maria Moraes Almeida, avaliou como “positiva e satisfatória” a atitude do prefeito Luis Fernando, mostrando sensibilidade e respeito no trato com as solicitações postas durante a negociação. “O prefeito como sempre se mostrou aberto ao diálogo e felizmente todos nós, categoria e a sociedade de modo geral, saímos vitoriosos com o reajuste além das promoções progressões”, disse a representante.

Com o reajuste conferido pela Prefeitura na ordem de 7,64% aos professores, cerca de trezentos mil reais há mais deverão a partir de agora ser incluídos no orçamento. Os vencimentos agora variam entre R$1.995,12 a R$4.236,84.

Também será conferido aos professores, o benefício das progressões e promoções de carreira, item também posto no pleito das negociações. No total, cerca de 130 pedidos serão atendidos e incluídos na folha do mês de setembro deste ano.


Com o auditório Nereu Ramos da Câmara dos Deputados lotado de entidades que representam os agentes comunitários de saúde (ACS) de todo o País, a comissão especial que analisa a proposta de emenda à Constituição (PEC 22/11) que trata da Remuneração dos Agentes de Saúde, aprovou por unanimidade, ontem, quarta-feira, 16, o parecer do relator, deputado Raimundo Gomes de Matos (PSDB-CE). Além da política remuneratória de valorização desses profissionais, o texto amplia esses direitos também aos agentes de combate às endemias (ACE).

Quem esteve presente neste importante momento da categoria dos Agentes de Saúde foi deputado federal maranhense e pré-candidato a senador Waldir Maranhão (Avante) que felicitou os trabalhadores e afirmou: “agora é aprovar no plenário!”. Confira o vídeo:


A partir das declarações de dois petistas de proa, um que já exerceu mandato pelo PT e outro que disputou uma importante prefeitura no ano passado, parece que não são mais “favas contatadas” a aliança PT/PCdoB em 2018.

“Grupo nenhum vai conseguir nos tratar pior que Flávio está tratando. Portanto, temos que construir o caminho que melhor viabilize o nosso projeto: retomar a Presidência!”.

“Não podemos esquecer que há um grande colégio eleitoral no Estado do Maranhão que segue a orientação política do grupo Sarney, oposição ao Governador, cujo colegiado conta muitos votos simpatizantes a Lula. Assim, qual será a tática eleitoral a ser empregada, de modo a acolhermos eleitores que defendem lados extremamente opostos como são os eleitores que estarão com o Governador, ou os que apoiarão o grupo Sarney?”.

Acima, declarações de dois importantes quadros petistas maranhenses dadas durante debate num grupo do partido no aplicativo do WhatsApp, e mostra que começa a surgir no âmbito do PT a tese de candidatura própria ao governo em 2018.

O partido passa por uma espécie de crise existencial.

Em 2010 e 2014, dividiu oficialmente o palanque majoritário com o PMDB do grupo Sarney.

Com a vitória de Flávio Dino em 2014, tal como a de Roseana quando também venceu no primeiro turno em 2010, o PT foi divido para o governo comunista.

Ocorre que o disputa política nacional que levou ao rompimento do PT com o PMDB, culminando no impeachment da presidente Dilma, trouxe, como não poderia ser diferente, um desgaste fatal entre as duas legendas no Maranhão.

Soma-se a isso o papel que o governador Flávio Dino jogou contra o processo de afastamento da petista quando tramitou na Câmara dos Deputados, assumindo posição clara contra o impeachment, ainda que não tenha movido uma palha quando o processo chegou no Senado Federal.

De qualquer modo, a posição pró-Dilma, e em seguida a de crítico ácido do governo Michel Temer, fez com que o conjunto do PT no Maranhão começasse a ver como inevitável uma aliança dos petista como os comunistas no ano que vem.

Mas, como se pode ver a partir das declarações de dois petistas de proa, um que já teve mandato pelo partido e outro que disputou uma importante prefeitura no ano passado, parece que não são mais assim tão “favas contatadas” a aliança PT/PCdoB em 2018.

O Blog do Robert Lobato disse “parece”.

A conferir.


Entre os dias 21 a 31 de agosto serão promovidas quatro audiências públicas, já as oitivas apresentadas pelos integrantes da CPI acontecerão do 1º a 30 de setembro.

Waldemir Barreto/Agência Senado

A CPI do BNDES aprovou o seu plano de trabalho nesta quarta-feira (16). As atividades serão divididas em três fases: realização de audiências públicas com especialistas já indicados pelo relator, senador Roberto Rocha (PSB-MA); oitivas apresentadas pelos integrantes da CPI, do dia 1º a 30 de setembro; e elaboração e votação do relatório.

Foi aprovado requerimento do presidente da CPI, Davi Alcolumbre (DEM-AP), solicitando cópias dos contratos e aditivos de empréstimos do BNDES no âmbito do programa de globalização das companhias nacionais. Um aditamento de Roberto Rocha pede que sejam enviadas à CPI todas as propostas de solicitações de empréstimos, investimentos e aportes de capital que tenham sido negados, com as devidas justificativas.

Audiências públicas

Entre os dias 21 a 31 de agosto serão promovidas quatro audiências públicas. Para o primeiro debate, os convidados são Carlos Borges Teixeira, secretário de controle externo da administração indireta do Tribunal de Contas da União (TCU); Paulo Bugarin, procurador-geral do TCU; e André Salcedo, assessor chefe da diretoria responsável pelas áreas de Indústria, Mercado de Capitais e Capital Empreendedor do BNDES.

Devem participar da segunda audiência Augusto Sherman Cavalcanti, ministro substituto do TCU; John Wilkinson, professor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ); e José Roberto Afonso, pesquisador do FGV/IBRE, professor do Instituto Brasileiro de Direito Público e consultor especializado em finanças públicas e federalismo, inclusive de organismos internacionais.

Os convidados do terceiro debate são Júlio Marcelo de Oliveira, procurador do TCU; Carlos Thadeu de Freitas Gomes, diretor financeiro do BNDES; e um representante da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Na última audiência pública devem participar Ivan Marx, procurador da República do Ministério Público Federal (MPF); e Andrea Calabi, economista com mestrado na USP e Doutorado em Berkeley.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) questionou o convite ao MPF e argumentou que ouvir o procurador constrange o convidado e fere o princípio da separação dos Poderes. Para ele, analisar o instituto da delação premiada no âmbito da Operação Lava Jato e admitir chamar a Procuradoria Geral da República desvia o foco da CPI, que é investigar as irregularidades do BNDES.

Em resposta, o relator da CPI afirmou que não se trata de um depoimento, mas de um convite ao procurador para contribuir nos trabalhos, sem que haja intenção de concorrer com o Ministério Público.

TCU

A CPI também aprovou a requisição de um representante do Tribunal de Contas da União (TCU) para acompanhar os trabalhos da CPI até o encerramento oficial das atividades.

No requerimento, o relator explica que o ingresso de um membro do TCU ao corpo técnico da CPI será importante por conferir auxílio especializado na investigação sobre o BNDES, possibilitando melhor eficácia na orientação dos trabalhos.

(Da Agência Senado)


Segundo uma pesquisa do GEM Education (2010), 3 a cada 4 brasileiros gostariam de empreender, mas apenas 9% estão preparados para iniciar um negócio sozinhos. Tem ideia do porquê?

Fappes, Publieditorial, via administradores.com.br

Netflix, Nubank, Airbnb, Spotify, Uber… Cada vez mais vemos empreendimentos e ideias bem-sucedidas sendo criadas com perspicácia, crescendo em uma velocidade nunca antes vista no mundo dos negócios. Nessa perspectiva, segundo uma pesquisa do GEM Education, 3 a cada 4 brasileiros gostariam de empreender, mas apenas 9% estão preparados para iniciar um negócio sozinhos. Tem ideia do porquê?

Esse déficit tem muito a ver com o despreparo da população na hora de abrir um negócio. Saber gerir uma empresa, por menor que ela seja, requer cuidados que certamente não cairão do céu. É por isso que, cada vez mais, as IES percebem que precisam deixar a linha do empreendedorismo em evidência. Entretanto, proporcionar matérias como o “Empreendedorismo” na faculdade não tem o mesmo significado de ser capaz de oferecer uma educação empreendedora, que está sempre à disposição para capacitar, idealizar, implementar e conduzir projetos inovadores.

A relação instável entre o empreendedorismo e a educação é uma preocupação constante. O curso de Administração, por exemplo, é um case interessante de ser estudado, uma vez que costuma ser essencial para quem quer entender melhor o empreendedorismo. Entretanto, cada vez mais as instituições de ensino não estão acompanhando o mercado empreendedor em sua essência; esse também é um dos fatores da educação empreendedora estar em defasagem.

Empreendedorismo entre os jovens
Um estudo feito pela Firjan no início do ano, traçou os diversos perfis dos jovens profissionais. Ela apontou que dois a cada três brasileiros têm interesse em se tornarem empreendedores nos próximos anos. Ainda segundo a pesquisa, realizar-se pessoalmente é o principal motivo pelo qual o empreendedorismo está em alta entre os jovens. Outro motivo mencionado por mais de 60% dos entrevistados foi a flexibilidade em trabalhar.

Essa autonomia que os jovens estão buscando ao empreender já têm reflexos na educação. Uma Escola de Negócios paulistana trouxe um conceito de educação empreendedora pensada para as reais situações do mercado. Com um sistema educacional diferenciado, onde os alunos podem escolher as disciplinas que irão estudar, a faculdade FAPPES – Faculdade Paulista de Pesquisa e Ensino Superior também utiliza a metodologia ativa em sala de aula, que permite uma interação dos alunos muito mais rica no processo de aprendizagem.

Unindo o útil ao agradável, a FAPPES consegue oferecer a educação empreendedora de forma muito mais real e aplicável, oferecendo disciplinas como Design de negócios inovadores, Estruturando empresas do futuro ou Evitando riscos financeiros, que fortalecem a essência do empreendedorismo, passando por temas específicos, onde os próprios alunos decidem se vão cursar ou não, dependendo de suas preferências, momentos profissionais e vidas pessoais.

“Apresentar a educação baseada em competências de uma maneira singular, atrelando o que acreditamos com as nossas próprias realizações empreendedoras, faz com que a nossa faculdade seja uma comunidade de práticas, onde idealizamos, modelamos e implementamos inovações na educação e nos negócios”, conta Thiago Dantas, Chief Operating Officer da FAPPES. Na faculdade, que cresceu 500% desde 2013, os alunos têm acompanhamento de Coaching e um Núcleo de Apoio à Carreiras para se aprimorarem na vida pessoal e profissional.

Resultados
Depois da implantação das mudanças na forma de educar – que já duram cerca de dois anos – a FAPPES percebe a mudança de visão e atitude dos alunos na hora de pensar um negócio: “Como na vida e no desenvolvimento de suas carreiras e negócios, nossos alunos são os protagonistas e assim escolhem o que vão cursar. O presente que vivem constrói um futuro idealizado, criando assim um paralelo ideal para os processos de disrupção que o mercado tanto necessita”, explica Dantas.

Como resultado, a faculdade percebe que, cada vez mais, os alunos estão saindo das salas de aula e indo atrás do seu próprio negócio na vida real. Na Semana de Administração FAPPES de 2016, por exemplo, alguns alunos tiveram um espaço especial para venderem seus produtos e apresentarem seu modelo de negócio. “Disseminamos a colaboração em nossa forma de educar, o que gera significado e nos motiva a continuar incentivando-os a serem os agentes de mudanças em nossa sociedade”, conclui o diretor.


Neurocirurgião maranhense, Luis Fernando Silva Júnior.

O acidente vascular cerebral, conhecido como AVC, e a cefaleia, conhecida como dor de cabeça, são duas causas bastante conhecidas de atendimento neurológico nas urgências e emergências. A dor de cabeça muitas vezes preocupa a sociedade pela possibilidade de ser sintoma de um tumor ou um aneurisma. Já o AVC é a principal causa de mortalidade do Maranhão, segundo dados oficiais do Ministério da Saúde.

Processos envolvendo as competências para o atendimento, com atuação individual e em equipe, bem como as principais demandas nas áreas de urgência e emergência neurológica em unidades hospitalares, foram assuntos abordados no último final de semana durante o Seminário de Urgências e Emergências Neurológicas, realizado em São Luís. Além das dores da cabeça e AVCs, diversos temas como meningites, tonturas, crises epilépticas, entre outros, também foram abordados.

De acordo com o neurocirurgião Luis Fernando Silva Junior, um dos organizadores do evento, é preciso que a informação sobre esses temas chegue aos diversos públicos envolvidos diretamente no primeiro atendimento do paciente acometido pelo problema e, desta forma, otimize o tratamento, reduza sofrimento e diminua ao máximo os riscos de sequelas em casos de doenças graves.

“Precisamos chamar atenção para o problema, uma vez que a demanda de atendimentos de urgências e emergências neurológicas é crescente. No caso mais conhecido do AVC, são de extrema importância a prevenção, o controle dos fatores de risco e o imediato diagnóstico da doença, além da atuação rápida e precisa que impacta diretamente no prognóstico do paciente, contribuindo para a redução de possíveis sequelas”, disse Luis Fernando.

O seminário contou com mais de 100 participantes, entre médicos generalistas, especialistas, estudantes e profissionais da área saúde.

Para a estudante Isabela Mota Santa Rosa, a realização do evento configura uma grande oportunidade para acadêmicos e revela um problema silencioso que precisa ter mais atenção de todos.

“Enquanto estudante, já percebemos que patologias neurológicas são muito prevalentes no pronto-socorro, e exatamente por essa razão, todos os profissionais envolvidos precisam estar aptos para o atendimento rápido e eficaz”, finalizou a estudante do 6º período de medicina.


A situação está chegando a tal ponto crítico que alguns já temem por Luciano Genésio não terminar o mandato a continuar as coisas tal como estão.

O Blog do Robert Lobato já tratou, em outro momento, sobre os problemas de gestão que estão sendo enfrentados pelo prefeito de Pinheiro, Luciano Genésio (Avante) – reveja aqui.

Segundo novas informações que chegam a este blogueiro, a situação parece estar se agravando e o gestor municipal encontra-se meio que perdido sem saber dar o rumo para a sua administração.

A situação se agrava quando o pessimismo, que beira à desilusão, começa a abater os próprios aliados mais próximos do prefeito Luciano.

A reclamação reside principalmente no que consideram “desorganização geral do governo”.

Pelo que o Blog do Robert Lobato ouviu de chegados de Luciano, a gestão da cidade de Pinheiro ainda não encontrou um rumo, um foco e em meio à crise enfrentada pelos municípios, há pouca ou nenhum criatividade administrativa por parte da prefeitura para dar uma arrancada de uma vez por todas.

A situação está chegando a tal ponto crítico que alguns já temem por Luciano Genésio não terminar o mandato a continuar as coisas tal como estão.

E quem diz isso não é gente da oposição não.

É quem esteve no núcleo da campanha de 2016.


Se conseguir articular com competência as duas questões, ou seja, apoio do Lula e a sustentação de forças petistas locais, o homem pode comprar o paletó novo e se preparar para desfilar pelos tapetes azuis do Congresso Nacional.

O deputado federal Waldir Maranhão, agora no Avante, ainda acalenta o projeto de candidato a senador se não pelo PT, ao menos com o apoio do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva.

O ex-presidente da Câmara dos Deputados está confiante de que Lula vai cumprir com um suposto compromisso assumido com o parlamentar maranhense na época em que decidiu abandonar o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), e assumir posição contrária ao impeachment de Dilma. Na época, segundo o próprio Waldir, o governador Flávio Dino (PCdoB), teria chancelado tal compromisso.

Waldir Maranhão tem pesquisas, feitas por institutos de fora do estado, que o coloca em situação razoável na disputa para o Senado Federal e já as apresentou para Lula que, segundo consta, gostou do que viu.

As chances

Mas, quais são as chances de Waldir Maranhão vir a ser candidato a senador pelo PT ou contar com o apoio do Lula mesmo disputando por outro partido?

Em primeiro lugar, e é bom que se diga, Lula é da tese de que para um projeto de governo federal um senador é mais importante do que três governadores juntos.

Não é foi acaso que em 2010, quando por determinação da direção nacional e do próprio Lula, o partido no Maranhão deu um “zignal” em Flávio Dino e apoiou a candidatura de Roseana Sarney (PMDB), o líder maior do PT preferia que Washington Luis fosse candidato a senador a ser vice-governador.

Nesse sentido, as chances de Waldir Maranhão ser candidato a senador estão condicionadas à duas questões fundamentais: (1) de contar com o apoio do Lula; e (2) conseguir reunir forças do PT local em torno do projeto, principalmente a Construindo um Novo Brasil (CNB), corrente do Lula e que no estado conta com quadros como o deputado estadual Zé Inácio, o ex-presidente Raimundo Monteiro, o sindicalista Evandro Sousa, ex-tesoureiro estadual Mundico Teixeira, ex-delegado do MDA, Ney Jefferson, professora Virna Teixeira, da ex-dirigente nacional dirigente Berenice Gomes, professor Nonato Chocolate, entre outros.

Isso, claro, sem prejuízo à outras forças simpáticas à candidatura do parlamentar como o coletivo Piracema, coordenada pelo publicitário Eri Castro, que pode aglutinar setores mais à esquerda do PT maranhense, inclusive atraindo intelectuais do nível do professor e advogado Dimas Salustiano.

O fato é que havendo qualquer ruído, tensão ou fissura nessa relação, nosso querido Waldir Maranhão pode tirar o cavalinho da chuva quanto ao tão sonhado projeto de senador.

Por outro lado, se conseguir articular com competência as duas questões, ou seja, apoio do Lula e sustentação de forças petistas locais, o homem pode comprar o paletó novo e se preparar para desfilar pelos tapetes azuis do Congresso Nacional.

Caberá ao próprio Waldir fazer os movimento corretos.